DICC: O que a psicologia econômica pode fazer por você

Publicado em: 22 outubro - 2021

Leia todas


O Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, neste ano, foi celebrado nesta quinta-feira, 21 de outubro, e o Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito (WOCCU) definiu o seguinte tema para nortear as ações: Construindo saúde financeira para um futuro melhor.

Por todo o país, o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo realiza diversas iniciativas em comemoração à data, assim como o Movimento SomosCoop – que com o apoio do Sistema OCB – realiza uma ação de marketing com o influenciador digital Gui Suetugo, falando sobre como as cooperativas contribuem com a qualidade de vida de quem quer ter uma relação saudável e duradoura com o próprio dinheiro.

E, além da ação com o influenciador, também foi lançado o e-book Vamos Discutir a Relação? Um e-book para quem quer ter um relacionamento longo e duradouro com o dinheiro – o material trabalha dicas e conceitos da psicologia econômica. Baixe gratuitamente aqui.

Falando nisso, você sabia que essa é uma ciência que ajuda as pessoas a se organizarem melhor a partir do funcionamento mental? Nós fomos em busca de respostas sobre como a psicologia econômica estuda as emoções por trás das nossas decisões financeiras.

E quem explicou um pouco mais sobre o assunto foi a psicóloga e psicanalista Vera Rita de Mello Ferreira, uma das maiores estudiosas do tema no Brasil.

Segundo ela, a psicologia econômica é, então, o estudo da vida mental que acompanha os comportamentos econômicos e a tomada de decisão. Comportamentos econômicos são aqueles que envolvem recursos finitos. Dinheiro é um deles, mas também podemos citar o tempo, atenção, autocontrole e recursos naturais como objetos de estudo da psicologia econômica.

O termo foi cunhado em 1881 por Gabriel Tarde, um dos pioneiros da psicologia social. Anos mais tarde, a área ganhou ainda mais relevância com a conquista de quatro prêmios Nobel por estudiosos do tema. O último e mais recente premiado foi o norte-americano Richard Thaler (2017) pelo desenvolvimento da teoria da contabilidade mental, explicando como as pessoas simplificam a tomada de decisões financeiras.

Em comum, todos esses pesquisadores propuseram um olhar menos racional sobre os eventos econômicos.

DICAS QUE VALEM OURO

Além disso, a psicóloga dá dicas de como planejar melhor a nossa vida para atingir o tão sonhado bem-estar financeiro. Confira:

Como a psicologia econômica pode ajudar na nossa relação com o dinheiro?

Vera Rita de Mello Ferreira: A psicologia econômica faz estudos científicos sobre o comportamento econômico e a tomada de decisão, o que não significa que é só sobre dinheiro. Ela trata de qualquer recurso finito, qualquer recurso escasso, como tempo, concentração, atenção, autocontrole, recursos naturais, saúde. Com relação a dinheiro, na medida em que possa levar para a população informações, com base científica, sobre como a cabeça dela funciona, como ela faz escolhas e os erros previsíveis em que a maioria das pessoas cai, a psicologia econômica ajuda as pessoas a errar menos. Ela não promete a ninguém a “receita” de como ficar milionário em 15 minutos. Isso não existe. O que a gente pode é ajudar a fazer com que as pessoas se organizem melhor a partir de um conhecimento sobre o próprio funcionamento mental e como elas podem tentar evitar muitos erros que são frequentes entre a maioria das pessoas.

Como alcançar a saúde financeira? Que dicas você pode dar para evitar escolhas e consumo por impulso? Há como planejar o consumo?

Vera Rita: A primeira coisa é você proteger o dinheiro de você mesmo. E isso pode ser feito combinando alguma modalidade de aplicação automática em algum investimento, todo mês ou na frequência que você definir, para que o dinheiro não passe pela sua mão; para que não haja a tentação de gastar com qualquer coisa. Um outro ponto é considerar a contratação de seguros que possam ajudar você a proteger o seu patrimônio e a ter paz de espírito. Se usa carro, seguro de carro. Sem dúvida, seguro saúde.

Para pais de família, seguro de vida. Não é o seguro que as instituições tentam empurrar. Muitas vezes não faz sentido nenhum. Mas ele tem que planejar de acordo com a sua realidade. Para isso, algumas vezes, é importante ter um consultor financeiro também. Alguém que ajude a dar o pontapé inicial no planejamento financeiro. Não dá para contar com a força de vontade ou um caráter férreo que vai fazer com que você consiga controlar os seus impulsos. Se a pessoa está endividada, é importante que ela não vá a lojas, shoppings etc.

Como tomar decisões acertadas no âmbito pessoal e familiar com relação ao orçamento? Há alguma dica de ouro?

Vera Rita: É importante lembrar que não adianta tentar uma proposta idealizada e pouco realista de, por exemplo, cortar em 50% o orçamento. Não pode absolutamente nada. Não pode pizza, não pode sorvete, nenhum gasto com lazer, nada. Isso acaba estressando toda a família. Então vale a pena ter, no orçamento, uma verba que precisa estar de acordo com a renda da pessoa ou da família, mas que é pra gastar livremente. As pessoas precisam de um respiro. Não dão conta de fazer uma contenção absoluta. A não ser que a pessoa já esteja em uma situação de superendividamento.

Com os juros altos no Brasil, o que você sugere para que o cidadão evite o endividamento? Uma vez endividado, como sair dessa bola de neve?

Vera Rita: Tem estudos que mostram que se o limite do cheque especial e do cartão de crédito forem reduzidos, a pessoa, até sem se dar conta, passa a gastar menos. Não é fácil isso. Às vezes a pessoa tem medo, vê como rede de segurança ter um certo limite de cheque especial. Mas em um momento de mais serenidade, talvez ela consiga. Vale começar tentando por um mês. Se for péssimo, volta. Para quem tem problema de impulso, gasta demais porque não consegue controlar, existem alguns grupos de devedores anônimos que, antes da pandemia, funcionavam em paróquias das igrejas católicas.

Além da “poupança automática”, que outras medidas ajudam a criar o hábito de poupar e investir?

Vera Rita: Poupar junto, ter objetivos de curto, médio e longo prazo e colocar recompensas, se for atinginda essas metas. Quanto mais a pessoa consegue guardar dinheiro, mais ela pega o gosto. Porque acontece o que a gente chama de aversão a perda. A pessoa olha o que ela tem e fica com pena de deixar daquele jeito ou, pior ainda, de usar. Então ela quer sempre por mais um pouco. Guardar aos pouquinhos, valores pequenos, também é uma boa dica.

O que é preciso para atingir o bem-estar financeiro?

Vera Rita: Bem-estar financeiro a gente entende em dois momentos: o agora e o futuro. E em dois eixos: segurança e liberdade. Quando a gente pensa no presente, o bem-estar financeiro é a pessoa saber que ela pode fazer determinados gastos que vão trazer satisfação, conforto, prazer. E, se ela olhar para o futuro, ela também enxerga que está tudo encaminhado para gozar de bem-estar no futuro.


Fonte: Sistema OCB, com adaptação da MundoCoop


Notícias Relacionadas:



Publicidade