Inspiração: uma vida construída através do cooperativismo

Publicado em: 14 abril - 2021

Leia todas


O cooperativismo é feito de pessoas. Por toda a extensão do país, através do modelo cooperativista, milhares tiram o seu sustento e conseguem melhores oportunidades na carreira e para seus negócios. E não há idade para se encontrar dentro desse mundo. Você pode crescer em uma cooperativa, ou ingressar em uma mesmo se estiver na melhor idade. Algumas pessoas veem suas vidas transformadas pelo cooperativista, e um exemplo do poder de transformação das coops pode ser visto na figura de Maria Nascimento.

Aos 30 anos de idade e com mais de uma década de dedicação ao cooperativismo, Maria Nascimento se tornou a primeira mulher jovem a ser eleita Presidente do Sistema OCB no Amapá. Com uma carreira que se iniciou através do cargo de estagiário, ela é um exemplo vivo do que o cooperativismo pode fazer. Em entrevista exclusiva à MundoCoop, ela fala sobre sua vida dentro do movimento e o que sua nomeação irá representar para o cooperativismo no Estado do Amapá.

Confira a entrevista completa!

MundoCoop: Sua carreira na OCB começou com o cargo de estagiária. O que te levou a ingressar no movimento cooperativista?

O que me levou a ingressar no sistema cooperativista foi o desejo de fazer a diferença na vida das pessoas de alguma forma. E no cooperativismo, eu encontrei essa oportunidade.

MundoCoop: Aos 30 anos de idade, você se tornou a primeira mulher jovem a presidir a OCB Amapá. O que esse marco representa para você e para o cooperativismo amapaense?

Para mim, como ser humano, como mulher negra e jovem, é um marco pois é muito difícil termos mulheres com essas características em cargos tão reconhecidos. Para o movimento, é uma grande conquista. Apesar de nossa população cooperativista ser composta por mais de 60% de homens, nós mulheres conseguimos, mesmo em minoria, fazer uma diferença.

MundoCoop: Sua eleição traz grande representatividade para o cooperativismo. Na sua opinião, qual a importância de incentivar a inclusão da diversidade do movimento?

Nosso movimento já tem diversidade. Ela só precisa ser explorada da forma correta. Estou há mais de 10 anos no sistema cooperativista. Neste período, e até os dias de hoje, temos diversas cooperativas que concentram um número significativo de jovens e mulheres que fazem parte do seguimento.

MundoCoop: Quais os principais desafios do cooperativismo amapaense que você identifica atualmente? E quais medidas a OCB Amapá pretende tomar em 2021 para expandir o alcance do cooperativismo no Estado?

Um de nossos maiores desafios é falar de nós, como sistema cooperativista, para aquelas pessoas que ainda não conhecem o nosso seguimento. Com isso foi criado pelo sistema nacional um fundo de comunicação, e esses recursos serão utilizados para as unidades estaduais com o objetivo de levar para as pessoas que não tem conhecimento sobre o cooperativismo a informação de como ele funciona em cada estado, e que tipo de representatividade ele tem na vida da população de cada região.

MundoCoop: Diante da pandemia, o cooperativismo continuou avançando de forma significativa. Como você analisa a importância do setor cooperativista para o desenvolvimento econômico e social do Amapá?

É um resultado de todas as nossas ações e sementes plantadas ao longo dos anos. Quando nasceu a primeira cooperativa não existia pandemia, mas vivíamos em um regime bem burocrático. Hoje, mesmo com a pandemia, as cooperativas tem muito o que crescer. Enquanto isso, os empresários que seguiram sozinhos fecharam as portas. Quem está sobrevivendo são aquelas pessoas que estão unidas, e o nosso seguimento está se reinventando neste processo, para estarmos aptos a permanecer no mercado.

MundoCoop: Com mais de uma década dentro do movimento cooperativista, quais aprendizados o cooperativismo trouxe para sua vida?

Em onze anos dentro da cooperativa, me casei e tenho um filho de dois anos que cresce dentro do movimento. Eu durmo e acordo respirando cooperativismo, e tudo que possuo hoje à minha volta tem ligação com esse sistema. Através das pessoas que estavam na Casa, na época da gestão, eles conseguiram fazer a diferença na minha vida. E hoje essa é a lição que eu levo para as pessoas. Fazer a diferença na vida delas através do cooperativismo.

MundoCoop: Um dos desafios do cooperativismo é atrair novas vozes para dentro de suas cooperativas. Qual mensagem você daria para os jovens e mulheres que ainda não conhecem o movimento ou estão iniciando?

Você jovem, você mulher, você homem. Nós somos capazes de estar aonde quer que quisermos. O segredo para qualquer organização é ter foco, disciplina e fé. E o resultado disso se chama sucesso. O sucesso é uma consequência de todos esses itens. Para os que estão iniciando, o primeiro passo é definir se este é o caminho que elas querem seguir na vida delas. Assim como na cooperativa, você precisa possuir um perfil para ser um cooperado. Você precisa ter um perfil para estar no movimento. Se você for uma pessoa destemida, com foco e saiba onde quer chegar, basta fazer os planos para atingir o que você quer. O resto virá de forma natural.


Por Leonardo César – Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas:



Publicidade