Ações colaborativas geram sustentabilidade econômica para comunidades

Publicado em: 30 outubro - 2021

Leia todas


Do turismo rural a união cooperativista, o trabalho realizado de maneira conjunta pode potencializar resultados positivos

Você sabe como é feito o trabalho em uma cooperativa? Antes de mais nada, para iniciar uma cooperativa é preciso contar com um grupo de pessoas que realizam uma atividade de trabalho em comum. Por exemplo, uma cooperativa agrícola une e integra pessoas que trabalham com agricultura. Nesse grupo, todos irão atuar em prol de um benefício em comum: o da comunidade. O objetivo de uma cooperativa é o bem-estar do homem e não o lucro.

É um movimento social e econômico, e que através da realização de atividades econômicas e valores próprios, busca promover uma reforma social dentro do sistema capitalista. Nos dias de hoje, muito se fala sobre economia colaborativa e ela abrange diversos nichos, mas acaba se resumindo em partilhar e trabalhar em busca de um modelo de vida mais sustentável, onde todos possam viver bem com os recursos conquistados.

A economia colaborativa faz parte da essência das cooperativas. Na Cooperativa Regional Auriverde, por exemplo, parte do valor arrecadado entres os associados é depositado na cota capital, que é um valor proporcional ao que ele movimenta dentro da cooperativa.

“Os resultados financeiros e econômicos das cooperativas são compartilhados entre os cooperados devido ao estatuto, então o sócio participa da cooperativa e conforme ele compra e vende, parte do valor volta em formato de arrecadação na cota capital e outra parte é distribuído em conta corrente. Esse valor é proporcional ao desempenho da cooperativa”, relata o assessor de comunicação da Auriverde, Amarildo Minela.

Assim como os cooperados trabalham para desenvolver cada vez mais o ideal e a economia cooperativista, as cooperativas buscam fornecer conhecimento, informações e cuidado com a comunidade. Para isso, são formados diferentes projetos e ações para elevar a produção e proporcionar uma vida com mais qualidade.

Uma das ações realizadas pela Auriverde é o Programa de Qualidade Rural da Auriverde, que há mais de 20 anos ensina os produtores através do programa D’Olho, que aborda a gestão 5 S’s de organização e qualidade empresarial, e também, pelo QT Rural, voltado especificamente para Gestão de Qualidade. Mais de 1.200 famílias já foram impactadas, e esse resultado expressa uma mudança de mentalidade, transformando as propriedades em empresas rurais, gerando mais autonomia, autoconfiança, organização e profissionalismo para os produtores.

Promoção por meio da tecnologia

No ano de 2000 foi criada a Rota do Eixamel, na cidade de Pomerode. O enxaimel é uma técnica de construção assimétrica, muito usada na Idade Média, na Europa Central. Em suma, são utilizadas peças de madeira que se encaixam perfeitamente, sem a necessidade de pregos para a sustentação e é em Pomerode que se concentra a maior quantidade de casas neste estilo.

A Rota do Enxaimel foi criada para estimular o turismo e atrações culturais no local. Toda a rota envolve a comunidade, produtores locais e gera retorno financeiro para os seus moradores. Com o objetivo de propagar a existência desta rota, os organizadores entraram em contato com a Cooperativa de Crédito Viacredi,integrante do Sistema Ailos, para ser uma parceira do projeto.

O contato foi realizado com o propósito de apoio financeiro para profissionalizar o site da Rota. O primeiro passo do time Viacredi foi entender porque a Rota estava com poucas visitas e entender o que tornava a rota atraente para os turistas. Identificando a situação, foi dado início aos trabalhos, que envolveram a criação de branding, a capacitação de comerciantes da região.

“Entramos com um time multidisciplinar da cooperativa, com pessoas de referência nas áreas de negócios, comunicação, projetos, posto de atendimento, sustentabilidade e relacionamento com o cooperado, para que pudéssemos fazer um canvas e ajudar a associação a montar um planejamento estratégico para essa retomada. Identificamos que a criação de branding era o marco principal, para isso trouxemos o Sebrae como parceiro e na sequência iremos desenvolver também a capacitação empreendedora dos comerciantes de maneira individual e personalizada, visto os diferentes níveis de escolaridade”, explica a analista de relacionamento com o cooperado Viacredi, Sharon Haskel Koepsel.

Para participar da rota, a equipe de turismo do Sebrae acompanhou o grupo para uma visita a Rota de Bento Gonçalves, para que servisse de inspiração, mostrando que é possível os comércios e estabelecimentos viverem do turismo também. Foi realizado um treinamento de marketing e comunicação, além da criação de um produto padrão da Rota.

A segunda etapa foi de consultoria e capacitação de empreendedorismo, abordando a gestão de negócios e a necessidade de estratégias para conduzir o seu empreendimento.

Valorizando o turismo e a comunidade local

A Rota do Enxaimel é baseada na cultura local e na natureza, o que reduz a necessidade de grandes investimentos para atrair turistas e melhorar a economia. O desenvolvimento do turismo no local, estimula a abertura de novos empreendimentos e gera oportunidades para os jovens, que antes optavam por seguir para as grandes cidades em busca de maiores perspectivas.

“O desenvolvimento do turismo permite que permaneçam na região com melhores oportunidades econômicas e preservem suas tradições locais. Além disso, o turismo é atividade com alto grau de encadeamento econômico, fazendo com que o dinheiro circule dentro da própria comunidade, pois os estabelecimentos adquirem seus insumos principalmente do comércio local, reinvestindo na região em um grande círculo virtuoso, muito próximo ao modelo de negócio cooperativo, no qual contribuímos com a nossa expertise” , enaltece Sharon.

As rotas turísticas criadas visam valorizar a cultura local e mostram a possibilidade de desenvolvimento comercial que vai muito além de propriedades rurais. Ações como essa fortalecem a comunidade, o desenvolvimento sustentável da economia e a conexão entre as cidades. Desta maneira, enaltecendo a história de cada cidade e região.

“Na Rota do Enxaimel, especificamente, como a localidade possui tombamento histórico pelo IPHAN, o turismo cultural na localidade cria a possibilidade de transformar a preservação e tombamento em oportunidade econômica para os moradores”, finaliza Sharon .


Fonte: G1


Notícias Relacionadas:



Publicidade