Campeonato internacional estimula jovens talentos a abrirem cooperativas

Publicado em: 18 fevereiro - 2021

Leia todas


O 1º Desafio da Cidade de Mondragón desafia os alunos a lançar um projeto empresarial cooperativo do zero em três setores inovadores

Juventude, talento, empreendedorismo e valores cooperativos são as tramas com as quais se teceu a primeira edição do Mondragón City Challenge . É um campeonato internacional com sede em Mondragón, na Espanha, e que visa promover a cultura do empreendedorismo e os valores cooperativos entre os jovens.

A Câmara Municipal de Arrasate, a Mondragon Corporation, o Governo Basco, o Conselho Provincial de Gipuzkoa, o Conselho Superior de Cooperativas de Euskadi, Mondragon Unibertsitatea, a Confederação de Cooperativas de Euskadi e EL DIARIO VASCO estiveram envolvidos na organização deste evento que conta também com a colaboração de Asekoop, Saiolan, Azaro Fundazioa, Alianza Coorperativa Internacional, Planeta Stem e Parque Tecnológico Garaia.

“Este projeto é muito importante porque reúne empreendedorismo, juventude e cooperativismo, e ainda mais nestes tempos de crise” – MARÍA UBARRETXENA, PREFEITA DE ARRASATE

Uma ampla representação das instituições e organizações reuniu-se em Mondragón, “no berço do cooperativismo”, como assinalou María Ubarretxena, para apresentar a primeira edição deste inovador concurso. Alunos do ensino médio, ensino médio ou superior e universitários de todo o mundo têm as portas abertas para participar desta competição internacional cujo desafio é criar um projeto empresarial cooperativo do zero. Eles também devem fazer isso abordando um dos seguintes desafios: tecnológico-digital, saúde-social e energia-clima.

Duas categorias

O período de pré-inscrição para o 1º concurso Mondragon City Challenge permanece aberto até a primeira semana de março no site www.mondragoncitychallenge.com. Os participantes terão um prazo de 9 meses para desenvolver seu próprio projeto de grupo cooperativo. Grupos de duas a quatro pessoas serão organizados para competir nas categorias ’16 a 18 anos ‘e ’19 a 24 anos’. Eles podem participar em qualquer um dos seguintes idiomas: espanhol, basco ou inglês.

“O cooperativismo vai se fortalecer com todas essas contribuições e os projetos que estão sendo propostos terão um grande futuro”JUAN MARÍA CONCHA, PRESIDENTE DA ASEKOOP

O concurso será desenvolvido em seis fases e será regido por dois júris. O roteiro terá início em março com a seleção por um júri técnico dos 20 projetos de maior viabilidade. Entre eles estarão 6 finalistas que participarão da fase final que acontecerá no dia 19 de novembro no teatro Amaia de Arrasate. A equipe vencedora na categoria de 19 a 24 anos receberá uma viagem à Coreia, em cuja capital, Seul, será realizado em dezembro o Congresso Cooperativo Mundial.

A equipe vencedora na categoria de 16-18 anos fará uma viagem à Europa.

Além disso, a organização vai atribuir um prémio de 800 euros ao projeto mais inovador das 14 equipes restantes classificadas na primeira fase.

FASES DO CONCURSO

Fase 1: seleção do projeto

De 1º a 22 de março. O júri técnico, composto por Azaro e Saiolan, selecionará de todas as propostas recebidas os 20 projetos com maior potencial para serem desenvolvidos com base na sua experiência na área empresarial.

Fase 2: criação do projeto

As 20 equipes classificadas desenvolverão o projeto previsto.

Fase 3: avaliação do júri

De 22 de junho a 4 de outubro. O júri profissional avaliará cada um dos 20 projetos e determinará as 6 equipes finalistas.

Fase 4: itinerários cooperativos

De 30 de setembro a 1º de outubro. As 20 equipas classificadas terão a oportunidade de conhecer em primeira mão a actividade de uma empresa cooperativa e conhecer as particularidades de uma gestão democrática regida pelo princípio da igualdade e equidade entre os sócios.

Fase 5: defesa final

De 4 de outubro a 15 de novembro. Os grupos finalistas devem expressar seu projeto pessoalmente e de forma resumida. A defesa online será aceita pela organização apenas em casos excepcionais e justificados.

Fase 6: evento final

19 de novembro. Os 6 finalistas apresentarão seus projetos no teatro Amaia de Mondragón. O júri profissional fará uma série de perguntas relacionadas ao projeto em questão. Será composto por María Ubarretxena (prefeita); Bruno Roelants (Aliança Cooperativa Internacional); Jokin Díaz (Governo Basco; Iker Estensoro (Conselho Provincial de Gipuzkoa); Joseba Sagastigordia (Mondragón Corporation); Belén Balerdi (CSCE-EKGK); Laida San Sebastián (MGEP); Aitor Lizarza Martín (Mondragon Team Academy na Mondragon Unibertsitatea).


Fonte: El Diario Vasco com adaptação da MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade