Como a prática do cooperativismo pode ser sustentável?

Publicado em: 24 fevereiro - 2021

Leia todas


Segundo Vanessa Weber, professora de Governança e Sustentabilidade do ISAE Escola de Negócios, o cooperativismo sustentável é fonte de inspiração para uma sociedade mais justa e inclusiva

O cooperativismo é um movimento de pessoas e empresas que se organizam para gerar benefícios aos cooperados, em prol do desenvolvimento local. Além de oferecer maior potencial de geração de renda e diminuição da desigualdade, o setor atua como defensor da sustentabilidade. Em 2020, a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) apresentou o tema “Cooperativas para a Ação Climática” como foco para a comunidade cooperativa mundial, com o objetivo de convidá-las a continuar promovendo ações para combater as mudanças climáticas.

“O cooperativismo sustentável considera os riscos e as oportunidades dos cenários econômicos, ambientais e sociais para causar impactos positivos no desenvolvimento local no curto, médio e longo prazos. Assim, integra estratégias e práticas na cadeia de valor que fomentem inovações sustentáveis em seus produtos, processos, organização e modelos de negócio para gerar valor para todos os seus stakeholders”, explica Vanessa Weber, professora de Governança e Sustentabilidade do ISAE Escola de Negócios. “Como organizações baseadas em valores e orientadas por princípios, as empresas cooperativas são, por natureza, formas de negócios sustentáveis e participativas”, aponta.

Com o crescimento exponencial de cooperativas pelo mundo, as Nações Unidas passaram a ter um olhar mais atento ao movimento. De acordo com a ONU, o setor contribui diretamente com sociedades mais inclusivas, além de ser protagonista na execução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Desde 2018, todas as ações de responsabilidade social desenvolvidas pelas cooperativas estão alinhadas e visam a erradicação da pobreza extrema no mundo até 2030. Ações com foco na redução do desperdício, melhoria do acesso a serviços básicos, erradicação da pobreza e até neutralizações das emissões de carbono também vem se tornando cada dia mais comuns nos empreendimentos cooperativos.

O interesse pelo desenvolvimento local evidencia a postura sustentável já praticadas pelas cooperativas, tendo em vista que a geração de renda é fator determinante do bem-estar da comunidade. “O cooperativismo sustentável é fonte de inspiração para a Agenda 2030 e os ODS, a fim de alcançar uma sociedade mais justa, inclusiva, ambientalmente correta e economicamente viável”, complementa Vanessa Weber.


Fonte: ISAE – Escola de Negócios


Notícias relacionadas



Publicidade