Cooperativa quilombola no Norte do ES é referência no Brasil

Publicado em: 16 fevereiro - 2022

Leia todas


Foto: Reprodução TV Vitória / Trabalhadores da Cooperativa de São Domingos, Norte do Estado, realizam a roçada em campo

Cooperativa de São Domingos, no Norte do Estado, é a primeira cooperativa quilombola de prestação de serviços florestais do Brasil

Historicamente, o quilombo foi uma das formas de resistência e sobrevivência adotada pela população escravizada de origem africana em diferentes regiões do Brasil. As condições degradantes da escravidão, a abundância de espaços habitáveis e um desejo intenso de liberdade foram fatores que levaram à formação desses agrupamentos.

Para a historiadora Ana Paula Rocha, do Círculo Palmarino, as comunidades quilombolas marcam a presença das populações africanas no Brasil e são símbolos de luta.

“Os quilombos são experiências reais do povo negro de enfrentamento a desumanização e a desapropriação das condições de vida. Ao longo de todo território brasileiro e da américa, existem esses espaços reais de resistência.”, afirma.

Não se sabe ao certo quantos quilombolas existem hoje no Brasil. Segundo um levantamento da Fundação Cultural Palmares, são 3.524 grupos remanescentes. No ano passado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizou um levantamento que apontou que o Espírito Santo tem 15.993 quilombolas, dos 1.133.106 residentes no Brasil.

Os municípios de São Mateus e Conceição da Barra, no Norte do Estado, concentram o maior número de comunidades quilombolas: são 32 comunidades em uma região conhecida como Sapê do Norte. A comunidade quilombola de Córrego São Domingos, uma das mais tradicionais do Estado, se destaca pelo cooperativismo. Há mais de três gerações os descendentes de quilombolas vivem e mantêm sua cultura. 

Em 2014, os moradores fundaram a Cooperativa dos Trabalhadores Rurais e Agricultores da Comunidade Quilombola do Córrego de São Domingos (CTRA). Essa é a primeira cooperativa quilombola de prestação de serviços florestais do Brasil e atua no serviço de preparação de terreno, cultivo e colheita e atualmente conta com 32 trabalhadores, sendo 21 cooperados e 12 contratados. Todos os envolvidos nas atividades são quilombolas. O presidente da empresa, Jobes Alexandrino, contou que a iniciativa mudou a vida da população local.

“Fundamos a cooperativa há oito anos e ela surgiu para transformar. Antigamente não tínhamos trabalho, a nossa atuação era no mercado informal, sem renda ou salário fixo. Nossa vida hoje é completamente diferente. Temos crédito e somos reconhecidos em todo o Espírito Santo”, definiu Jobes VilaNova Alexandrino.

Foto: Reprodução TV Vitória / Jobes, presidente da CTRA, auxilia colaborador durante o dia de trabalho

Nascido e criado na Comunidade de São Domingos, Marcos Célio Valetim, de 32 anos, trabalha na cooperativa como encarregado de campo. O profissional tenta deixar para trás um período que ele classifica como difícil. Segundo ele, antes do surgimento da CTRA, os moradores da comunidades sofriam preconceito e eram tratados como invisíveis. “Hoje a sensação é de dignidade. Muitos diziam que o quilombola era preguiçoso, desorganizado. Mostramos que não é verdade. Só precisávamos de uma chance para provar o nosso valor”, desabafa.

Na busca para manter o legado de resistência e luta, os cooperados de São Domingos fazem planos e encontram em empresas privadas o apoio necessário para continuar trilhando o caminho da transformação. A empresa Suzano, maior produtora global de celulose de eucalipto, que tem fábrica no Norte do Estado, criou o “Territórios Resilientes”. Por meio do programa, a cooperativa recebeu linhas de investimentos e, desde 2014, é considerada uma fornecedora da empresa

Em 2020, mais de 300 famílias remanescentes de quilombo foram beneficiadas pelos programas sociais da multinacional. Douglas Peixoto, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano, explica como os programas sociais articulados pela empresa fazem a diferença nas comunidades.

Foto: Reprodução TV Vitória / Douglas Peixoto é coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano

“Atuamos no Espírito Santo com mais de 50 entidades, entre associações rurais, indígenas, quilombolas e cooperativas. Essas entidades se relacionam com a Suzano a partir do investimento social. O apoio dos programas prevê equipe própria dedicada e consultorias técnicas especializadas. Prevê também a cessão de áreas para uso produtivo pelas associações sem acesso à terra, fornecimento de insumos básicos para estruturação das atividades produtivas, suporte técnico e financeiro para captação de recursos e articulação regional junto a outros parceiros estratégicos.”, explica

Além da busca ativa nas comunidades diretamente impactadas, a companhia tem como política o lançamento de editais nos municípios de atuação. Dessa forma, incentiva a comercialização e/ou atividades econômicas sustentáveis, o fomento ao empreendedorismo e a inclusão digital.


Fonte: Folha Vitória


Notícias Relacionadas



Publicidade