Cooperativismo: passaporte para dias melhores

Publicado em: 06 julho - 2021

Leia todas


Manoel Santa Rosa. Foto: Divulgação

Comemorado no primeiro sábado de julho, a data abriu as portas para que a sociedade criasse iniciativas de cooperação em vários setores da vida, obtendo resultados sensíveis para toda a sociedade, especialmente nas camadas menos favorecidas

Não é o dia D e nem hora H. Mas o Dia C – de Cooperar – está dando o que falar e pensar. No Rio Grande do Norte, o Sicoob, o maior sistema financeiro cooperativo do país, levou neste sábado cestas básicas a instituições de acolhimento de idosos e mostrou a dimensão de seu apoio ao acesso de jovens carentes ao esporte em bairros populares de Natal.

E não poderia ser diferente, como explica Manoel Santa Rosa, presidente do Sicoob do Rio Grande do Norte. “O cooperativismo nasceu da organização dos trabalhadores para ter acesso a alimentos de qualidade. Durante o percurso histórico da sua existência forjou sete famosos princípios voltados para a comunidade”, ele explica.

São eles: adesão livre; controle democrático: “um homem, um voto”; devolução do excedente ou retorno sobre as compras; juros limitados ao capital; neutralidade política, religiosa e racial; vendas a dinheiro e à vista e, finalmente, fomento do ensino em todos os graus.

Adaptados aos novos tempos, esses princípios abriram as portas para que a sociedade criasse iniciativas de cooperação em vários setores da vida, obtendo resultados sensíveis para toda a sociedade, especialmente nas camadas menos favorecidas que necessitavam de apoio para prosperar.

Festejada desde 1923 e proclamado oficialmente pela Assembléia Geral das Nações Unidas no centenário da Aliança Cooperativa Internacional (ACI) em 1995, o Dia Internacional das Cooperativas é um evento global que se consolida mais a cada ano.

Na prática, o cooperativismo atua com o objetivo de reduzir custos de produção, ter melhores condições de preço e prazo, interferindo no sistema na busca de alternativas que ele não atende para todos.

No Brasil, a atividade cooperativa começou bem lá atrás com a construção de um estado cooperativo pelos jesuítas. Nessa época e por muitos anos depois esse foi modelo e o exemplo de uma sociedade solidária, fundamentada no trabalho coletivo, em que o bem-estar coletivo se sobrepunha ao interesse econômico da produção.

O Paraná, onde hoje existem fortes cooperativas, especialmente no campo, é precursor desse modelo no país fortemente inspirado no movimento europeu. Mas, é claro, ele não poderia ficar apenas na agropecuária e se estendeu para a saúde, educação, habitação – na forma de cooperativas de crédito -, consumo, serviços, eletrificação e telecomunicações.

O Dia Internacional do Cooperativismo, comemorado no último sábado, é considerado como um momento ideal abrir os olhos dos jovens sobre o caráter empreendedor e o papel social do cooperativismo. A origem da comemoração serve também ao objetivo de levar para toda sociedade o conhecimento dos benefícios, dos valores e dos princípios do cooperativismo.

Cooperativa Médica do RN: exemplo de organização

Por definição, cooperativas são associações autônomas de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade coletiva e democraticamente gerida.

Fundada em 19 de fevereiro de 2003, a Cooperativa Médica do RN começou a funcionar efetivamente em 2006 com objetivo de prestar serviços médicos nas variadas formas e especialidades. Inicialmente presidida por Dr. Geraldo Ferreira Filho, reeleito em 2006, a Coopmed-RN foi presidida de 2009 a 2016 por Fernando Pinto e hoje Victor Vinícius de Almeida Ferreira.

Hoje, são 1.600 cooperados distribuídos em 36 especialidades. Os médicos atuam junto a convênios como Unimed Federação, Unimed Mossoró, Unimed Macau e Caicó e os contratos com a Secretaria Municipal de Saúde e a Secretaria Estadual de Saúde.

E a prestação dos serviços acontece nos hospitais particulares que atendem ao SUS e onde é possível realizar cirurgias e procedimentos de Alta e Média Complexidade proporcionando à população mais carente um serviço considerado de excelência.


Fonte: Portal Agora RN


Notícias Relacionadas



Publicidade