Economia Solidária se prepara para fazer bonito nas Olimpíadas

Publicado em: 11 julho - 2016

Leia todas


artesanato

 

Na Vila Olímpica, nas feiras artesanais, nos quiosques de venda de alimentos. Em cada um desses espaços das Olimpíadas e das Paralimpíadas Rio 2016, a economia solidária estará presente. São cerca de cem empreendimentos de artesãos e agricultores familiares orgânicos e 190 catadores de materiais recicláveis descartados.

Como tratam-se de empreendimentos solidários, o número de pessoas envolvidas se multiplica. Ao todo, serão 4 mil empreendedores presentes nos Jogos.

A presença da economia solidária nas Olimpíadas e nas Paralimpíadas é resultado de dois convênios firmados pelo Ministério do Trabalho. O primeiro, firmado com a prefeitura do Rio para apoiar o Circuito Carioca de Feira e o Circuito Rio Ecosol, beneficia artesãos e agricultores familiares. O segundo, assinado com o governo do estado, faz parte do projeto Coleta Seletiva Solidária. Ele assegura a catadores de três redes de cooperativas a triagem de material reciclável, que será encaminhado a cooperativas de todo o estado. Os catadores farão ainda um trabalho de educação ambiental com os visitantes sobre separação de resíduos e reciclagem.

O Ministério do Trabalho também apoiou uma chamada pública para a confecção de 10 mil almofadas temáticas destinadas aos quartos dos atletas na Vila Olímpica e à área de imprensa. Dois empreendimentos de economia solidária se encarregaram do trabalho, já concluído, que deve ser apresentado ao público após a abertura do evento.

A inserção de empreendedores da economia solidária nas Olimpíadas e Paralimpíadas contribui para incentivar o aperfeiçoamento dos processos de produção e comercialização. O objetivo é garantir condições para que continuem gerando renda após os Jogos. “Não estamos simplesmente autorizando os empreendimentos solidários a venderem produtos nas Olimpíadas. Haverá oficinas para aprimorar a formação dos empreendimentos de economia solidária, e os catadores estão recebendo treinamento para atuarem no evento. Queremos que os jogos deixem um legado para a economia solidária”, explica o coordenador geral de Comércio Justo e Crédito do Ministério do Trabalho, Haroldo Mendonça.

“Essas iniciativas tem um propósito, que é alcançar pessoas que desenvolvem alternativas de renda e trabalho que muitas vezes não são reconhecidas”, reforça Natalino Oldakoski, secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho. Oldakoski vê nas Olimpíadas e Paralimpíadas “um momento para mostrarmos que a economia solidária, com a organização dessas pessoas, é uma alternativa importante e criativa para driblar a crise econômica”. O secretário lembra que os catadores já atuaram, com sucesso, na Copa do Mundo de 2014, e que o modelo brasileiro de transformar a catação em trabalho e renda é exemplo para o mundo.



Publicidade