Espanha: Cooperativas, peças-chave para alcançar energia sustentável

Publicado em: 06 novembro - 2020

Leia todas


A Cooperativa de Energias Renováveis ​​Energética auxilia os consumidores a administrar o consumo de energia elétrica proveniente de fontes inesgotáveis ​​de energia e, ao mesmo tempo, baixam o preço da conta.

Um dia, o irmão de Silvia Temiño viu uma placa em uma loja de produtos orgânicos em Burgos. Foi anunciada a apresentação de uma nova cooperativa de consumo de energias renováveis. “Fomos por curiosidade”, diz ele. Foi assim que se tornou sócia da Energética e integrante do grupo de apoio a esta cooperativa Valladolid de Burgos. Ele contratou a energia elétrica com eles e em breve vai instalar painéis fotovoltaicos em sua casa também com a cooperativa. “Com a Energética dá para ter eletricidade, mas as grandes empresas continuam a ter exclusividade na distribuição e isso significa que, apesar de a energia renovável ser mais barata, há sempre um custo fixo na fatura que essas grandes empresas cobram. provisionamento, seja você cliente ou não ”, diz ele.

Esta taxa parece-lhe elevada, pelo que preferiu pedir um empréstimo para investir na instalação de painéis fotovoltaicos no seu pequeno negócio, o que significa um consumo de energia eléctrica de 600 euros por mês. Segundo Santiago Campos, trabalhador da área de Energia, a instalação de painéis solares numa casa tem um custo mínimo de cerca de 3.000 euros. “Segundo o Instituto Nacional de Estatística, uma casa comum consome cerca de 3.200 kWh, muito mais do que os nossos parceiros consomem em média. Custaria cerca de 4.000 euros se estivesse voltado para o sul. ” Esse investimento garantiria que parte da eletricidade consumida seria obtida diretamente do sol e a conta seria reduzida porque o consumo diminuiria. “Quanto antes instalarmos as placas, mais cedo começaremos a economizar”, diz Temiño. No seu caso, o investimento para o seu negócio será de cerca de 25.000 euros, Investimento com o qual você vai reduzir os custos da conta de luz com o uso da energia verde. “Seremos capazes de continuar consumindo energia limpa enquanto consumimos de forma mais eficiente.” 

Em 2015, um grupo de pessoas se reuniu com o objetivo de deixar para trás a energia fóssil e tentar esclarecer o preço das tarifas das grandes empresas de eletricidade

A Energética nasceu em 2015 em Valladolid como um projeto cooperativo. Um grupo de pessoas reuniu-se com o objetivo de deixar para trás a energia fóssil e tentar esclarecer o preço das tarifas das grandes empresas de eletricidade. Há três anos que oferece diversos serviços como a comercialização de eletricidade renovável, assessoria energética e instalação de painéis solares para autoconsumo fotovoltaico. “Não somos uma organização apenas urbana, nossa vocação é ser regional”, diz Santiago Campos. Ao tentarem organizar um movimento cidadão em torno da transição energética para que cada um seja o único dono da energia que consome, inspiraram-se na cooperativa catalã Som Energia, pioneira em Espanha no domínio das energias renováveis. “Num primeiro momento pensámos em organizar um grupo de apoio à cooperativa Som Energia, para podermos também participar na tomada de decisões, que, como na Energética, se faz através de uma assembleia, mas vimos que em Castela e Leão era necessário um projecto próprio. Por isso fundamos nossa própria cooperativa ”, explica.

“No primeiro ano éramos 200 membros e já chegamos a 1600”. A participação na Energética faz-se através de uma contribuição única de 100 euros no momento de adesão à sociedade, que dá direito a um voto na assembleia e direito ao aluguer gratuito de até cinco contas de luz, ou seja, uma família no. que uma pessoa seja um membro poderia endossar a mudança para o Energético em até mais cinco casas de familiares ou amigos.

É tão fácil quanto executar qualquer portabilidade de telefone celular. O processo de troca de empresa de energia elétrica e início do consumo de energia renovável através da Energética pode ser feito de forma resumida online ou no próprio escritório, sem alterações na instalação ou no medidor.

Algumas instituições públicas, como a Câmara Municipal de Valladolid, que este mês vai instalar painéis fotovoltaicos com Energética na cobertura do edifício da sua Câmara Municipal, também estão renovadas. A conselheira para o meio ambiente, María Sánchez, comenta que reduzir o consumo e economizar energia foram algumas das medidas do pacto governamental quando assumiram o cargo após as eleições. O uso de tecnologia para atender a esses objetivos é uma das prioridades do conselho que ela dirige. “Estimamos que conseguiremos reduzir as emissões de CO2 do município em 21 toneladas por ano com a instalação desses painéis fotovoltaicos”, afirma.

Um dos fundadores da Energética é Iñigo Capellán-Pérez, engenheiro e pesquisador na área de energia. “Embora as tarifas de eletricidade sejam mais baratas que as das empresas tradicionais – baixaram entre 8 e 14% na decisão de sua montagem em julho – não damos tanta importância a isso, mas ao uso de energia verde. Para que o planeta seja sustentável, devemos reduzir nosso consumo quatro vezes e isso se consegue, entre outras coisas, com um bom isolamento das casas ”, afirma.

Desde 2019 a Espanha possui, segundo o pesquisador, uma das leis de autoconsumo fotovoltaico mais modernas do mundo. A eliminação do imposto sobre o autoconsumo e a autorização do autoconsumo partilhado ou da possibilidade de produção por terceiros fizeram deste decreto um avanço no domínio das energias renováveis, uma vez que também custa 30 euros produzir um megawatt de energia fotovoltaica em Espanha em comparação com os 40 da Alemanha e França ou os 60 do Reino Unido. “Posso instalar placas em meu prédio e servir a toda a minha comunidade, mas também posso compartilhar o excedente de outra pessoa através do consumo da comunidade. O autoconsumo também é permitido porque essa lei eliminou o imposto solar ”, destaca Capellán-Pérez. Um dos sonhos de muitas famílias é poder tirar o máximo partido do consumo que a sua casa necessita com a energia fotovoltaica. “Mas para isso seria necessário ter baterias que armazenassem energia para dias nublados, o que tem um alto custo ambiental porque são de lítio e é preciso renovar as baterias a cada poucos anos”, diz Campos.

A Energética produz parte da energia que seus parceiros consomem, mas tem que comprar o resto no mercado de eletricidade (só adquire a que vem de fontes renováveis). É a Som Energía quem os auxilia na comercialização – o cálculo do consumo realizado em casa cada mês de acordo com as várias tarifas fixadas pelo Estado e com base na potência contratada, que determina o preço da fatura mensal. Entre as duas cooperativas, eles compraram a hidrelétrica Valteína em Peñafiel (Valladolid). Isso permite que eles também produzam uma parte da energia que fornecem às residências, mas não toda.

As seis pessoas que trabalham na cooperativa também oferecem assessoria energética para residências. “Do ponto de vista da economia é muito importante. Analisamos para onde está indo o seu consumo e como você pode baixá-lo. Se decidir trocar sua caldeira a gás por aerotérmica ou de biomassa, você pode fazer conosco, faremos um orçamento para você e procuraremos um instalador ”, revela Rodrigo J. Ruiz, outro de seus trabalhadores.

Graças às palestras informativas, muitos usuários falam abertamente sobre sua insatisfação com os preços de energia. “As pessoas saem das conversas com muita raiva, porque há muita opacidade e não há percepção coletiva de que há resgates contínuos com dinheiro público para as grandes empresas de eletricidade não são auditadas para ver como está sendo gasto esse dinheiro público ”, enfatiza Ruiz.

E quanto ao futuro da exploração das renováveis? Eva Otero, também trabalhadora da cooperativa, é clara sobre como vê essa luta internacional para liderar a transição energética: “Nossa aposta é que a produção e a demanda de eletricidade podem ser reduzidas localmente. Isso não é coisa de grandes empresas, queremos que tudo seja o mais local possível e é isso que tentam todas as cooperativas da nossa região ”.


Fonte: El Salto


Notícias Relacionadas



Publicidade