Exportações do Brasil para os países árabes cresceram 10% em novembro

Publicado em: 20 dezembro - 2016

Leia todas


export2

 

Levantamento feito pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira (CCAB) mostra que as exportações para os 22 países que integram a Liga Árabe tiveram uma alta de 10% no mês de novembro em relação ao mesmo período de 2015.

No mês, as vendas do Brasil à região somaram US$ 935 milhões, com destaque para os embarques de açúcar, minério de ferro, automóveis, tubos de ferro e aço, e carne fresca. As vendas para Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos foram as que registraram maior crescimento, segundo o levantamento feito a partir de dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Foram registrados aumentos de venda significativa também para o Líbano, Omã, Iraque, Bahrein, Djibuti e Líbia. Para a região como um todo, cresceram principalmente os embarques de açúcar, minério de ferro, automóveis, tubos de ferro e aço, e carne bovina fresca.

Para o secretário-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby, “com o aumento do preço do petróleo, a tendência é que os países da região tenham mais divisas para gastar com importações”. As cotações da commodity começaram a subir a partir de 30 de novembro, quando a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) ratificou o chamado Acordo de Argel, que prevê redução de 1,2 milhão de barris diários na produção dos membros do grupo em 2017. “As exportações para o Golfo principalmente devem apresentar uma melhora, após o estímulo do acordo da Opep”, destaca Alaby.

Os embarques de açúcar aumentaram para vários países, como Emirados, Argélia, Arábia Saudita, Egito, Djibuti, Iraque, Líbano e Marrocos. As vendas de automóveis foram quase que exclusivamente para a Arábia Saudita. As exportações de minério avançaram principalmente para o Bahrein, Omã, Líbia e Egito, e as de tubos para a Arábia Saudita e Emirados. Estes dois países compraram mais carne fresca também, assim como o Líbano.

Destaque ainda para o avanço das vendas de farelo de soja para a Arábia Saudita e Iêmen, de gado vivo para Líbano e Egito e de fios de cobre para o Catar. Vale lembrar que este ano o Egito liberou a importação de gado em pé do Brasil, que havia sido suspensa no segundo semestre de 2014, e o Líbano autorizou a retomada das compras de animais e de carne do Paraná após quase quatro anos de embargo.

No acumulado de janeiro a novembro, as exportações brasileiras ao mundo árabe somaram US$ 10,3 bilhões, uma queda de 6% em comparação com o mesmo período de 2015. Alaby ressalta, porém, que o resultado de novembro indica uma tendência de melhora ou pelo menos de manutenção do patamar atingido.

 

screen-shot-2016-12-20-at-10-10-36-am