“Fazer parte de uma cooperativa representa segurança”, afirma empresário rural

Publicado em: 08 novembro - 2021

Leia todas


Com o desenvolvimento de programas sociais, a Cooperalfa estimula e apoia, há mais de 50 anos, seus cooperados a buscarem os melhores resultados no setor

A essência do cooperativismo é baseada na frase: quando um ganha, todos ganham. Toda a cultura tem como objetivo o desenvolvimento pessoal e financeiro dos associados, mas também, da comunidade envolvida – direta e indiretamente. As cooperativas são agentes transformadores no fortalecimento local e no crescimento do meio rural. Essa arte de cooperar, é passada de geração em geração, desde o seu surgimento, na Inglaterra, no ano de 1844.

O movimento realizado entre a base do campo, é visto em diversos setores de atuação do cooperativismo, como na família do empresário rural da área de bovinocultura de leite, Leonardo Menegotto, em Nova Erechim/SC. Eles têm o berço na agricultura e, há 21 anos, Leonardo reside na propriedade e trabalha na produção e venda de leite, auxiliando seu pai e sua mãe no gerenciamento do negócio.

“A família em si, reside na propriedade há muitos anos, é herança do meu avô. Eu já sou a terceira geração que está trabalhando nesta propriedade. Por ser filho único, optei por ficar próximo à família, mas também, por ver que, no interior, a gente tem uma oportunidade de crescimento sendo dono do que é da gente. Criamos uma empresa e é uma atividade rentável, além de ter uma liberdade maior em decidir nossos horários de trabalho, o que garante um conforto de vida melhor”, relata.

Durante os anos que está na atividade, Leonardo trabalha com o auxílio da Cooperalfa, da qual seu pai é sócio há mais de 10 anos. A Alfa está presente hoje em 85 municípios dos estados de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, além de contar com associados em 253 municípios brasileiros.

Ao todo, são mais de 21 mil famílias associadas, 76% delas se dedicam à agropecuária familiar. O empresário rural relata que a cooperativa é um amparo, principalmente na segurança do trabalho. Pelo fato de as atividades serem realizadas em cooperação, a instituição ajuda o cooperado, assim como o cooperado contribui com a cooperativa, tornando as chances de evoluir.

“A cooperativa influencia positivamente. Isso porque, se a gente trabalhar junto deles, podemos investir na atividade e aumentar nossa produção. Além disso, sabemos que, unidos, vamos ter comércio para venda e a Cooperalfa gera suporte para nós. Eles representam para a nossa atividade a segurança para realizar um investimento e saber que, no fim do mês, o dinheiro, independente da quantia, será recebido. Em resumo, fazer parte de uma cooperativa representa segurança”, completa Leonardo.

Ações de liderança com base nos princípios cooperativistas

Todas as cooperativas possuem como base os sete princípios do cooperativismo. Eles são importantes para direcionar as ações realizadas pelas cooperativas e seus associados. Além disso, eles também auxiliam no gerenciamento delas. Confira na íntegra o que dizem esses inputs mundiais do sistema:

  1. Adesão livre e voluntária
  2. Gestão democrática
  3. Participação econômica dos membros
  4. Autonomia e independência
  5. Educação, formação e informação
  6. Intercooperação
  7. Interesse pela comunidade.

O primeiro item do estatuto afirma a necessidade de que a adesão do cooperado deve ser livre e voluntária; o segundo, ressalta a gestão democrática, onde todos os associados possuem direito a voto nas assembleias. Já os itens cinco e sete são voltados, principalmente, para as ações realizadas com os cooperados, associados e com a comunidade em geral. Com base nesses princípios, a Cooperalfa desenvolve diversos programas para gerar suporte e ensinamentos aos mais de 21 mil associados.

Com o intuito de cooperar e desenvolver pessoas, a Cooperalfa organiza, desde os primeiros anos de formação há 54 anos, ações que formam e informam, sempre baseando-se na sua época. Nos últimos anos, passou a incrementar mais qualificação ao quadro social, desenvolvendo líderes cooperativistas, jovens líderes, núcleos femininos, programas de gestão, eventos voltados para elementos técnicos das atividades, entre muitos outros.

“Todos estes eventos fortalecem os membros da cooperativa e suas famílias como ser social, agente econômico e transformador de suas próprias vidas; contribuindo, assim, para o empoderamento individual que fortalecerá o coletivo”, explica o presidente da Cooperalfa, Romeo Bet.

O programa Liderança Cooperalfa, é um exemplo do trabalho realizado pela cooperativa em prol do desenvolvimento de novos líderes. Os casais são eleitos pelas suas comunidades, e têm como intuito contribuir para a gestão da cooperativa e levar informação para os seus associados. Atualmente, são 383 casais líderes na área de atuação. Em conjunto, é estudado o Papel de Liderança, que busca alinhar os interesses de todos os associados, as aspirações de cada um e tentar, dentro do possível, contemplar a todos dentro do planejamento estratégico da cooperativa.

O papel feminino e dos jovens na liderança

As mulheres estão abrindo cada vez mais o seu espaço, principalmente no meio agrícola, onde sempre ficaram responsáveis, em especial, pelo cuidado da casa e sendo um suporte para a família mas, poucas vezes, colocada no papel de líder. O Programa Mulheres Cooperativistas que a Cooperalfa realiza, visa promover conhecimento e a sustentabilidade do cooperativismo, melhorando a participação das mulheres no quadro social.

“A Cooperalfa investe em estratégias e iniciativas que visam reconhecer, valorizar e incentivar cada vez mais a presença feminina no sistema cooperativista. O crescimento desta participação proporciona a inserção da mulher nos negócios, na comunidade e, em especial, nas sociedades de pessoas. As Mulheres Cooperativistas conhecem a importância da união, da ajuda mútua, da igualdade e da solidariedade, pois elas sabem que um mundo melhor é possível e que o cooperativismo pode contribuir muito para isso”, destaca o presidente da Cooperalfa.

As principais decisões que tomamos na vida, acontecem ainda quando somos jovens. Pensando nisso, e na possibilidade de orientar os jovens do meio rural, formando novos líderes e o conhecimento sobre cooperativismo, a Cooperalfa realiza também, programas de lideranças entre jovens associados.

Dentro do programa, o jovem aprende a tomar decisões mais assertivas, além de compreender mais a fundo os seus pais e as gerações anteriores. O jovem é propulsor da mudança, e auxilia no aprimoramento da gestão e nas transformações das comunidades rurais. Garantir este apoio, impulsiona que os jovens permaneçam nas propriedades, dando seguimento ao trabalho começado pelos seus avós e ensinam a gerenciar os conflitos de geração que podem ocorrer.

Investimento na gestão rural

Ao todo, são três programas de Gestão Rural: De Olho na Qualidade Rural, Qualidade Total Rural e Times de Excelência.

Os programas são realizados com base na metodologia do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), na Cooperalfa, com apoio de outras cooperativas: Aurora, Sicoob MaxiCrédito, Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Cada um dos programas trabalha com um viés para desenvolver cada vez mais a excelência no campo. O De Olho na Qualidade Rural, fomenta a importância da organização da propriedade através do sistema 5S, metodologia que busca qualidade total e maior produtividade. Já o Programa de Qualidade Rural desperta o desejo do desenvolvimento entre os agricultores, que descobrem com o andamento dos treinamentos, o poder da mudança que existe no conhecimento.

“A prática da gestão rural necessita de incentivo constante. Em alguns estabelecimentos rurais, bastam pequenos ajustes. Em outros, é preciso tomar outro rumo. Estas respostas vêm dos números. Com a análise concreta da produtividade, custos, investimentos, entre outros dados, fica mais fácil tomar decisões. Muitas vezes, faltam dados para gerenciar o negócio rural e os programas de gestão funcionam como bússola”, explica Romeo Bet.

Mantendo as tradições

A Cooperalfa foi fundada no ano de 1967, em Chapecó-SC, com o auxílio de 39 agricultores que, na época, buscavam vender os seus produtos de maneira justa, sem precisar se curvar à exploração e o não pagamento de seus serviços entre alguns comerciantes. A missão da Cooperalfa é gerar valor ao agronegócio por meio da cooperação. E assim o faz até hoje.

Desde a sua fundação, a cooperativa investe na assistência técnica. Esse investimento gerou e segue promovendo melhor qualidade de vida, produção e maior renda para as famílias associadas.

Para o fomento desta cultura, são realizadas palestras, visitas às propriedades, dias de campo; a cooperativa também edita a revista Cooperalfa, Informativo de Rádio todos os dias, o Alfa Tv, PodCast Argumento Alfa e usa vários canais de comunicação, junto com a área de marketing. Atualmente, as atividades do Campo Demonstrativo Alfa agregam 200 profissionais técnicos, que atendem os associados visando impulsionar e incrementar a produção dos alimentos.

Além disso, a Cooperalfa também incentiva uma produção mais sustentável, promovendo o bem-estar animal e a preservação dos recursos naturais. Aplicar essas técnicas representa uma vantagem competitiva no cenário econômico catarinense.

“A Cooperalfa faz a diferença no nosso negócio pela assistência técnica. Eles trabalham de uma maneira que te atendem para que você possa enxergar e acertar o que estiver errado, porque trabalhamos sempre buscando o melhor na questão de resultados, tanto para nós, quanto para a cooperativa, porque se nós vamos bem nos resultados, a cooperativa também vai. Eles são parceiros do produtor”, finaliza Leonardo.


Fonte: G1


Notícias Relacionadas:



Publicidade