MDIC lança ações de apoio à exportação e parceria com o BID

Publicado em: 10 março - 2017

Leia todas


 

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, lançou em 8 de março, em Brasília, o cronograma de ações do Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE) para 2017 e o início de parcerias com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) para ampliar a base exportadora.

“Tenho dito que a retomada do crescimento econômico do Brasil exige que olhemos para fora de nossas fronteiras. Por isso, além de melhorar a competitividade do comércio exterior brasileiro, concluir acordos comerciais e reduzir barreiras às nossas exportações, o governo brasileiro está buscando ampliar a participação das nossas empresas no mercado internacional por meio de ações como o PNCE e soluções internas para a melhoria da competitividade do comércio exterior”, disse o ministro no evento que contou com a participação de outras autoridades da área de comércio exterior e representantes de 20 comitês estaduais do PNCE.

O PNCE é coordenado pelo MDIC e reúne iniciativas de instituições parceiras nacionais e estaduais, com o objetivo de aumentar a base exportadora e estimular a inserção de empresas de pequeno portes no mercado externo. “Para este ano, estão previstas mais de 200 ações de apoio às exportações a serem executadas pelo MDIC e seus parceiros. Pretendemos melhorar a competitividade do setor que mais gera empregos no Brasil e auxiliar empresas de pequeno e médio portes a conquistar espaço no concorrido mercado internacional”, afirmou Marcos Pereira.

Em 2016, o PNCE foi lançado em 16 unidades da federação, com o apoio de 144 instituições parceiras nacionais e estaduais, atendendo dez mil empresas. As ações desenvolvidas no âmbito do PNCE contribuíram para que 4.735 empresas exportassem pela primeira vez no ano passado. Ao todo, 20 estados participam do programa até agora.

Em 2017, além das ações de capacitação de empresas, o PNCE prevê a integração entre política industrial e política de apoio às exportações, realizada a partir da convergência entre o PNCE e o Brasil Mais Produtivo. Também haverá o lançamento do Portal PNCE, área pública do Sistema PNCE que irá aprimorar a troca de informações entre os comitês estaduais e permitir o atendimento personalizado de dúvidas das empresas cadastradas.

 

Parcerias

O ministro Marcos Pereira também anunciou o início de uma parceria entre MDIC e BID.  A cooperação conjunta terá o objetivo de promover maior participação de empresas – especialmente de pequeno e médio portes – no comércio internacional. Nesse sentido, ambos adotarão ações para convergência entre o PNCE e a ConnectAmericas.com, que é uma plataforma virtual de negócios internacionais de empresas da região da América Latina e Caribe, com 80.000 usuários de mais de 190 países.

Além disso, as empresas atendidas pelo PNCE contarão este ano com um instrumento adicional de apoio. Por meio da parceria entre MDIC e CNI, as empresas poderão fazer parte do Rota Global, programa desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com a União Industrial Argentina (UIA) e o Parque Tecnológico de Extremadura na Espanha (Fundecyt-Pctex). A iniciativa ajudará 500 indústrias a começar a exportar e terá R$ 1,2 milhão em recursos.

O Rota Global oferecerá consultoria completa para empresas não exportadoras empreenderem no mercado internacional, com diagnóstico, desenho de estratégia de exportação e acompanhamento da execução do plano. Em julho, será aberto o prazo para indústrias interessadas se inscreverem. Negócios de todos os portes, setores e estados poderão participar.

A meta é traçar o diagnóstico de 500 empresas, desenvolver planos de negócios para 200 delas e, ao final do projeto, em 2018, ter ao menos 100 novas empresas com operação concreta de exportação. A execução do projeto contará com o apoio dos Centros Internacionais de Negócios das federações de indústrias dos estados e do Distrito Federal.

Os recursos são provenientes do AL-Invest, programa da Comissão Europeia para fomentar a produtividade e a competitividade de micro, pequenas e médias empresas na América Latina como forma de combater a pobreza e a desigualdade social.

 

Empregos

Durante o evento, o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, ressaltou a importância do PNCE, já que as micro e pequenas empresas são as que mais geram empregos formais no Brasil.  “O esforço conjunto para atender essas empresas é importante porque a participação delas na exportação ainda é pequena e a ação exportadora depende de forte integração”, declarou.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a indústria só será realmente forte e competitiva se participar do comércio global. “O PNCE nos entusiasma muito e todas as Federações das Indústrias são aliadas na busca para que as empresas brasileiras possuam melhor participação no mercado internacional”, disse ele durante o evento.

Também estiveram presentes os presidentes da Apex-Brasil, Roberto Jaguaribe; do Inmetro, Carlos Augusto Azevedo; da ABDI, Guto Ferreira; do INPI, Luiz Otávio Pimentel; dos Correios, Guilherme Campos; da CACB, George Pinheiro; além do representante do BID no Brasil, Luiz Florez; e da superintendente de Operações Internacionais da CEF, Maria Lucia de Paula Macedo.



Publicidade