Os melhores dias do movimento cooperativo estão à nossa frente, dizem jovens líderes

Publicado em: 05 janeiro - 2021

Leia todas


Como o ICA celebra o seu 125 º aniversário, conversamos com cinco membros do comitê executivo da Rede de Juventude da ACI sobre o legado do movimento e como ele pode moldar o futuro

1. Se as cooperativas não existissem hoje, por que seriam necessárias e como estariam fazendo a diferença?

Ana Aguirre , vice-presidente para a Europa, e cofundadora e líder de negócios da INNpulsory na cooperativa de trabalhadores TAZEBAEZ no País Basco, Espanha: Como sempre dizia o fundador da Mondragon, José María Arizmendiarrieta, as cooperativas não devem ser o objetivo final, mas uma ferramenta para o desenvolvimento. Usamos as cooperativas como um sistema para alcançar uma sociedade melhor. É um modelo de propriedade compartilhada e de decisão democrática e isso importa, mas nosso objetivo não deve ser apenas ter cooperativas, mas ter um modelo de empresa mais humano. Outra coisa a ter em mente é que o modelo cooperativo pode não ser para todos. É um modelo baseado em valores que implica solidariedade e não creio que seja um valor que se aplique a todos. A sociedade seria muito melhor se todos demonstrassem a mesma solidariedade que as cooperativas. Aqui na Mondragon, criamos um sistema que incentiva as pessoas a mostrarem solidariedade e isso é um valor incrível porque torna a pessoa uma pessoa melhor após a adesão.

Sébastien Chaillou , presidente e diretor-chefe da iniciativa Solidarité Etudiante na França : Se as cooperativas não existissem, a sociedade seria muito mais violenta. Seria tudo ou nada. As cooperativas e a economia social da bobinadeira mostram-nos uma forma diferente de fazer negócios. Eles agem como uma ferramenta de desenvolvimento – não apenas para lutar por um objetivo comum como um sindicato ou partido político faria, mas também para permitir que as pessoas coloquem valores no centro do que fazem enquanto fazem as coisas à sua maneira. Você pode descobrir o modelo cooperativo e adaptá-lo sozinho. As pessoas têm que descobrir aos poucos.

Alireza Banaeifar, membro do comitê executivo da Rede Jovem da ACI e Gerente de Assuntos Internacionais da Câmara de Cooperativas do Irã (ICC) :As cooperativas trazem uma série de benefícios sociais, como a criação de empregos ou o atendimento da oferta e demanda. O movimento cooperativo também capacita as pessoas, dando a todos uma voz igual. No mundo caótico em que vivemos, as cooperativas são um grande trunfo porque quanto mais pessoas e empresas estão pensando em aumentar sua participação econômica, maiores serão as diferenças entre os diferentes países e diferentes grupos de pessoas. Em algumas áreas as pessoas não sabem o que fazer com o excesso de mercadorias e em outras áreas vemos pessoas morrendo por um pedaço de pão. O movimento cooperativo mostra a esses diferentes grupos de pessoas como trabalhar juntos, decidir juntos e viver juntos.

Angélica Soberanes , Vice-Presidente para as Américas e Coordenadora de Comunicação da Cooperativa La Cruz Azul no México : Acho que se as cooperativas não existissem nós as inventaríamos agora. Eles são muito necessários neste momento. Talvez os chamássemos de economia social ou qualquer outra coisa, mas a cooperação sempre existiria, está na natureza humana.

Ahsan Ali Thakur , Vice-Presidente para Ásia-Pacífico, Conselho e Diretor Regional de Comunicações e Representante Juvenil da União das Sociedades Cooperativas de Habitação de Karachi : Se as cooperativas não existissem, sim, elas teriam sido inventadas agora para fornecer soluções para as pessoas . Venho do setor de habitação cooperativa. Os preços das moradias sobem dia a dia aqui no Paquistão e as cooperativas habitacionais teriam sido formadas de uma forma ou de outra porque servem às comunidades locais e são capazes de enfrentar a crise habitacional.

2. Qual você acha que é o papel do movimento cooperativo de quase dois séculos no enfrentamento de alguns dos desafios enfrentados pelos jovens de hoje?

Ahsan : Quando falamos sobre o desemprego juvenil e Covid-19, também precisamos considerar outras questões comunitárias. Cada problema pode ser subdividido em categorias e a melhor maneira de abordar qualquer questão é através da mobilização dos próprios membros da comunidade. Depois de fazer isso, eles podem falar com uma única voz. Assim, as cooperativas permitem que os jovens falem e tenham um impacto maior para resolver os problemas que enfrentam.

Ana: Apesar da grande história, acredito que os melhores dias do movimento cooperativo estão pela frente. Um dos principais problemas da juventude que as cooperativas podem ajudar a resolver é a desigualdade – as cooperativas incentivam a participação de homens e mulheres nas empresas. Nas cooperativas de propriedade dos trabalhadores, os trabalhadores são proprietários e administram suas empresas e isso é muito poderoso em termos de justiça social. O movimento cooperativo também está extremamente alinhado com os ODS e os valores da Geração Z. Também precisamos entender que o modelo cooperativo não é sem fins lucrativos. Se não tivermos negócios sustentáveis ​​e excelência na gestão, as cooperativas vão falir e não haverá riquezas para compartilhar. Precisamos ter certeza de que os negócios que criamos são sustentáveis, lucrativos e bem administrados.

Sébastien : O movimento de dois séculos pode trazer experiência. Os jovens enfrentam desafios e desejam enfrentá-los, inclusive por meio do empreendedorismo. O movimento cooperativo oferece aos jovens um modelo democrático que lhes permite alcançar mudanças positivas.

3. Recentemente, você anunciou os vencedores do seu Projeto de Replicação Juvenil. Você poderia nos contar mais sobre isso?

Ana: Este foi um grande passo para a rede juvenil porque foi a primeira vez que algo assim foi lançado. Existem tantos programas que fornecem capital semente para empreendedores, mas ter algo focado em cooperativas foi a primeira vez. Queríamos ter certeza de que o processo foi muito bem documentado, claro e transparente para mostrar que se obtivermos recursos alocados para os jovens, os jovens respondem. Recebemos 150 inscrições de todo o mundo. Isso atrasou nossa data inicial de anúncio dos vencedores. Fizemos uma lista restrita e então um júri definiu um conjunto de critérios para selecionar os vencedores. É importante entender a grande resposta que tivemos. Qualquer pessoa pode ver os projetos no site da Rede Juvenil. Também vamos promover os projetos que foram pré-selecionados, mas não receberam financiamento.

4. O que o movimento cooperativo poderia fazer para alcançar mais jovens?

Ana: O segredo é não olhar para o passado com saudade. Precisamos ter certeza de que o futuro é atraente para as pessoas se juntarem ao movimento. Do contrário, eles não vão aderir a um movimento que pensam estar em decadência. O futuro precisa ser retratado como uma solução moderna, alinhada aos ODS e aos valores dos jovens. Precisamos mostrar mais o rosto em círculos que não são nossos lugares de visita habituais. Quando estamos juntos somos fortes, mas quando saímos desse círculo de conforto com pessoas alinhadas aos nossos valores, começamos a falar em voz baixa. Nossa excelência não depende apenas da excelência de nossos produtos ou serviços, mas também do modelo que trazemos para a mesa. Precisamos mostrar que este é um modelo de futuro e que já existem jovens lutando por esse movimento e liderando-o. Precisamos que esses jovens alcancem outros jovens. Este é um movimento moderno, os valores existem, a inovação existe, a força existe, o modelo evolui com o tempo e se adapta a novos marcos legais e necessidades e estamos na vanguarda do desenvolvimento social. Portanto, tenho certeza de que as cooperativas estão aqui para ficar.

Angélica : Aqui nas Américas, pesquisamos como envolver os jovens no movimento. Quando você apresenta alguém ao movimento cooperativo, na maioria das vezes, eles entendem, mas alguns não – nem todos estão prontos para a mentalidade da economia social. Para algumas pessoas, não importa o quanto você tente explicar o modelo para elas, elas têm uma mentalidade individualista. Então, talvez precisemos nos comunicar melhor, conscientizando e direcionando mensagens para os jovens.

Ahsan : Uma de nossas cooperativas no setor de habitação no Paquistão criou um clube cooperativo para os membros da comunidade para que eles pudessem hospedar festas de casamento ou alugar o local para seus próprios membros. Essas iniciativas criam empregos e criam confiança na comunidade local – para que os jovens possam ver que o movimento cooperativo está fazendo algo por sua comunidade e sua geração. O modelo cooperativo também pode permitir que jovens refugiados aprendam novas habilidades e abram seus próprios negócios. Quando o Paquistão foi criado como um estado, os jovens vieram para o país e criaram suas próprias cooperativas habitacionais. O mesmo modelo pode ser usado para ajudar refugiados em todo o mundo.

Alireza : No meu país, onde temos um grande número de pessoas dispostas a cursar o ensino superior, a melhor forma de fazer isso é promovendo o modelo de negócio cooperativo em escolas e universidades. Os jovens têm criatividade, ambição e energia, mas precisam de apoio e experiência prática. As cooperativas podem se beneficiar de sua energia e capacidade de aprender e se adaptar rapidamente e os jovens podem se beneficiar dos princípios cooperativos de trabalhar juntos e apoiar uns aos outros.

Sébastien : Sempre fico surpreso ao ver quantos jovens que encontro descobriram o movimento cooperativo por meio de nosso pequeno projeto universitário. Portanto, é importante permitir que uma comunidade jovem tenha essa experiência empreendedora cooperativa. Também precisamos incorporar que somos uma alternativa, em vez de tentar nos justificar e dizer que somos tão bons quanto outras empresas. Temos nossos próprios princípios e queremos ser julgados por esses princípios. Dessa forma, podemos apelar mais aos jovens que buscam uma forma alternativa de fazer negócios.


Fonte: ACI


Notícias relacionadas



Publicidade