Projeto para áreas degradadas e mananciais chega ao interior de Rondônia

Publicado em: 08 fevereiro - 2017

Leia todas


mundocoop_noticias_brasil_agua_viva

O uso intensivo da mesma área para pastagem, sem qualquer manejo, e a redução da vegetação têm sido responsáveis pela desagregação do solo e assoreamento dos rios, resultando na morte de nascentes do município de Ministro Andreazza (RO), distante cerca de 500 quilômetros de Porto Velho.

A Fundação Banco do Brasil e a Cooperativa de Produtores Rurais da Agricultura Familiar de Ministro Andreazza (Cooperandreazza) assinaram convênio para o projeto Água Viva, no valor de R$ 198,7 mil, que tem como objetivo recuperar as áreas degradadas e o lençol freático. A iniciativa também pretende gerar renda para 25 agricultores familiares que vivem basicamente da produção de café e da criação de gado leiteiro, além do envolvimento indireto de outros 50 agricultores. O projeto tem a parceria da Brasilcap.

A ação prevê o plantio de 30 mil mudas, sendo metade de espécies da fauna brasileira e a outra metade de árvores frutíferas – cacau, cupuaçu, açaí, guaraná – sem uso de agrotóxico, uma alternativa a mais de renda no fim do mês.

“Esperamos conscientização em primeiro lugar. Que cada produtor, ao ver a terra recuperada, possa ganhar consciência do que é ter uma área degradada e não poder trabalhar nela. Esperamos também que o projeto possa melhorar a vida não só dos cooperados, mas também dos moradores vizinhos que dependem dos mananciais e rios em bom estado”, declarou Sueli Machado, presidente da cooperativa. A venda das frutas será uma alternativa a mais de renda no fim do mês.

De acordo com o técnico agrícola e assessor do projeto, Marcelo Poggian, o plantio das mudas será feito no período chuvoso, previsto para o final do mês de setembro. Ele explica que na fase atual, anterior ao plantio, os produtores vão preparar e isolar as áreas que irão receber o investimento.



Publicidade