Rede Save Food Brasil é realidade no Brasil

Publicado em: 12 julho - 2016

Leia todas


trator2Campanha global é liderada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e, no Brasil, com apoio institucional da Embrapa e do WRI Brasil (instituição de pesquisa global), a rede Save Food Brasil, durante o Sustainable Food Summit da América Latina, realizado na capital paulista no final de junho, promoveu palestras e discussões sobre os diferentes impactos sociais, econômicos e ambientais dos alimentos que vão para o lixo sem necessidade, além de mostrar que as soluções existem.

Na mobilização da sociedade, a rede Save Food Brasil também tem auxiliado “legisladores com pareceres técnicos para fundamentar projetos estaduais e federais ligados à questão da perda e desperdício”, lembra o pesquisador da Embrapa, Murillo Freire.

De acordo com a FAO, um terço de tudo o que é produzido para consumo humano se perde antes de chegar à mesa, causando um prejuízo anual de US$ 940 bilhões (R$ 3 trilhões)e, segundo seu represente no Brasil, Alan Bojanic, “muitos países têm conseguido reduzir o índice de perdas e desperdícios de alimentos, mas os desafios ainda são muitos. O mundo do futuro não pode permitir o grande desperdício de alimentos e de recursos naturais e, principalmente, precisa combater a poluição e as emissões de gases de efeito estufa que estes desperdícios produzem no meio ambiente”.

A redução da perda e desperdício de alimentos reduz não só a pressão sobre o clima, mas a poluição da água e do solo. A Coordenadora de Mudanças Climáticas do WRI Brasil destaca que se a perda e o desperdício fossem “um país”, este país “seria o terceiro maior emissor de gases que provocam o efeito estufa no mundo, atrás apenas da China e dos Estados Unidos”.

Além de advogar a maior eficiência no transporte e na embalagem de alimentos, a rede Save Food Brasil está em fase de engajamento de parceiros e membros, e tem como mensagem principal a mudança de atitude. “É necessário um forte engajamento da sociedade civil, dos produtores, dos governos para fixar metas concretas de redução do desperdício e das perdas dos alimentos, não só no Brasil, mas em todo o mundo”, defende Bojanic, que abrirá as discussões no início da tarde.



Publicidade