Cooperativismo de crédito: a união de propósitos e nações

Publicado em: 02 setembro - 2021

Leia todas


Alcançando mais de 30 países de forma totalmente online, aconteceu, recentemente, a Conferência Mundial de Cooperativas de Crédito de 2021. Promovido pelo Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito (WOCCU na sigla em inglês), o evento mostrou o real potencial das cooperativas e reuniu representantes do mundo para abordar assuntos como transformação digital, inclusão social e financeira e intercoooperação.

Além de trazer tendências de diferentes polos globais, incluindo o Brasil, a Conferência provou, na prática, como é possível unir um ideal comum entre diversas nações.

E para entender mais sobre as propostas, a MundoCoop conversou, com exclusividade, com o ex-presidente da WOCCU, Brian Branch – que ainda representava o conselho – para saber um pouco mais sobre as iniciativas, a posição internacional sobre o cooperativismo de crédito mundial, a consolidação do movimento e a representatividade das cooperativas para a sociedade global.

Confira!

MundoCoop: Eventos como a Conferência Mundial de Cooperativas de Crédito mostram o real potencial do movimento cooperativista em expandir conhecimento e aplica-lo ao redor do globo. Com base em todas as novas tendências que influenciarão o futuro, como você acha que as Cooperativas de Crédito vão se posicionar perante aos novos rumos de mercado?

Brian Branch: As cooperativas de crédito vão experimentar uma maior consolidação à medida que as regulamentações de compliance e tecnologia aumentarem. Por isso, essas que se dedicarem à transformação digital crescerão rapidamente, enquanto as que não a fizerem desaparecerão. A capacidade de transformar digitalmente é amplamente aprimorada pela cooperação entre as coops. A ruptura financeira da Covid-19 criou uma tremenda oportunidade de crescimento, embora também com riscos, para que as cooperativas impulsionadas por esse valor se desenvolvam cada vez mais.

MundoCoop: Muitos dos assuntos debatidos na Conferência abordaram as novas tecnologias, como a própria inteligência artificial, e pilares de educação para todos os níveis de liderança. A transformação digital está sendo o grande percursor das cooperativas? Como fazer com que essa realidade alcance a maioria dos países?

Em 2020, a transformação digital se tornou prioridade. Com a Covid-19, não se tratava mais apenas da conveniência dos membros e da competitividade da cooperativa. E sim sobre a saúde e segurança de todos. Os valores cooperativos não mudaram, mas em todos os lugares o paradigma da prestação de serviços financeiros mudou.

Isso, portanto, aumenta a necessidade de cooperação e colaboração entre as cooperativas de crédito, com plataformas compartilhadas para funções de back-office e outras plataformas de sistemas digitais e de pagamentos.

MundoCoop: Hoje estamos presenciando aos poucos a verdadeira concretização da inclusão social dentro das cooperativas, e a Conferência nos trouxe exemplos importantes sobre o assunto. Como a WCUC e a WOCCU buscam ampliar ainda mais essa inclusão?

O Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito atua em conjunto com as políticas internacionais, assim como o G20, para um maior apoio à inclusão financeira daqueles que ficaram de fora do sistema ou que são vulneráveis. A expansão da capacidade das cooperativas financeiras de servir pessoas fora do sistema financeiro expande a base de depósitos e ajuda o sistema a se tornar mais diverso e estável em tempos de estresse.

O aumento dos depósitos ajuda a suavizar o consumo e compensar a falta de crédito durante os períodos de contração financeira. Contas de pequeno porte e de baixa renda tendem a ser menos voláteis durante os ciclos econômicos. À medida que as cooperativas financeiras trazem mais pessoas e suas poupanças para o setor financeiro, a massa pode aumentar a eficácia da política monetária.

Na medida em que a regulamentação do setor financeiro visa a estabilidade e eficiência financeiras, a inclusão financeira ajuda a atingir esses objetivos, ao mesmo tempo que fortalece a estabilidade social e política. O Conselho Mundial documentou para os criadores de padrões internacionais que, durante os tempos de crise financeira, as cooperativas de crédito forneceram uma proteção de liquidez, aumentando os depósitos e mantendo os empréstimos contra choques financeiros tanto a nível comunitário como nacional.

Portanto, o Conselho Mundial defende a facilitação de um maior acesso aos serviços de depósito para clientes mal atendidos, vulneráveis, de pequenas contas ou de baixa renda. E pela expansão do acesso geográfico aos serviços financeiros. No campo, os programas de assistência técnica do Conselho fornecem suporte técnico para servir aos carentes, enquanto sua Rede Global de Liderança de Mulheres fornece apoio a alcance comunitário para mulheres.

MundoCoop: Com certeza, o debate sobre gerações está mais presente do que nunca e definitivamente a juventude se tornou uma solução imediata. Qual é a influência dos jovens dentro do cooperativismo? Você acredita que a relação entre gerações pode desenvolver ainda mais o movimento?

O sucesso em atrair jovens adultos é impulsionado principalmente pela conveniência e facilidade de uso. Se esses jovens considerarem o uso de serviços financeiros de cooperativas de crédito, eles esperam usar tecnologia online e móvel para administrar suas finanças como fazem em suas outras atividades. Fornecer todos os serviços essenciais em canais online e móveis é fornecer serviços de uma forma que eles estejam familiarizados.

As cooperativas de crédito oferecem aos jovens a capacidade, com alertas online e móveis, de solicitar contas e empréstimos, depositar cheques, transferir fundos, pagar contas e receber. As instituições que relatam sucesso observam que deve ser fácil, deve levar apenas alguns minutos e deve ser concluído sem ter que entrar na agência.

Os jovens passam por transições na vida, incluindo estudar, começar um emprego ou uma carreira, casar, comprar uma casa, começar a trabalhar, alugar um apartamento, ter filhos. Essas transições trazem oportunidades de oferecer serviços financeiros que agreguem valor ao lidar com esses eventos.

Os exemplos são pequenos saldos – contas de poupança de baixo custo de transação, cartões de débito pré-carregados e empréstimos para construção de crédito. Muitos jovens expressam sua gratidão pela cooperativa de crédito que os ajudou a estabelecer seu crédito e os ajudou com seu primeiro empréstimo para seu veículo ou casa. O design do produto avalia os objetivos e metas dos jovens adultos e projeta produtos para ajudar os membros a atingir essas metas dentro de seu contexto, embora não seja uma estratégia nova para cooperativas de crédito.

MundoCoop: A Conferência Mundial de Cooperativas de Crédito mostrou que é possível unir nações com objetivos em comum. Na sua opinião, será possível construir uma intercooperação mundial no futuro? Quais seriam os impactos e desafios?

Para oferecer a conveniência de muitos pontos de serviços com inovação, as cooperativas de crédito reúnem, em muitos países, seus investimentos em tecnologia da informação para construir plataformas de pagamento compartilhadas para processamento de dados de back-office, gestão de ativos, gestão de recursos humanos, caixas eletrônicos, agências compartilhadas, canais online e móveis.

A tecnologia, os padrões e as regulamentações hoje ultrapassam as fronteiras. Este é o precedente de uma maior cooperação intranacional que agora está levando a uma maior informação internacional e compartilhamento de tecnologia e intercooperação.

MundoCoop: O Brasil apresenta números representativos quando se fala em cooperativismo de crédito. Qual é a visão da WCUC em relação as cooperativas brasileiras? Existem expectativas globais e de relação com o país?

O Conselho Mundial tem muito orgulho de ter o Sicredi como membro representante do Brasil e, inclusive, muito atuante na Rede Global. As cooperativas de crédito brasileiras têm mais de cem anos de liderança e tradição na inclusão financeira.

O Sicredi serve como âncora e modelo em toda América Latina e no mundo todo. As coops do Brasil compartilham as melhores práticas para liderança e gestão, rede de sistemas e construção de plataformas compartilhadas. E ainda lideram em questões de digitalização.

MundoCoop: O evento, com certeza, consolidou ainda mais o conhecimento, a inovação e a união das cooperativas de crédito ao redor do mundo. Pensando nisso, qual é o próximo passo? Como a WOCCU acha que o cooperativismo de crédito vai estar daqui 10 anos?

Em 2020 e 2021 experimentamos não apenas a crise de saúde, mas também as consequências econômicas e financeiras da pandemia da Covid-19. O que impactou milhões de pessoas em termos de renda, riqueza e futuro econômico. Isso é verdade especialmente para aqueles com recursos limitados e modestos.

Nesse cenário, as cooperativas de crédito responderam ajudando seus membros a lidar com o impacto econômico da pandemia. E hoje essas mesmas cooperativas continuam com empréstimos trabalhistas para os membros e suas famílias. Elas, novamente, oferecem esperança ao serem chamadas a ajudar a construir um futuro de recuperação econômica e prosperidade para seus membros e suas comunidades.

Os membros recorrem a suas cooperativas de crédito em busca de financiamento para agricultura e pequenos negócios. As comunidades recorrem às cooperativas de crédito para fornecer um caminho econômico para seus jovens.


Por Jady Mathias Peroni – Matéria publicada na Revista MundoCoop, edição 101



Publicidade