CoopTalks Summit 2021

Publicado em: 07 julho - 2021

Leia todas


O maior evento digital do cooperativismo brasileiro marcou a comemoração do Dia Internacional do Cooperativismo com grandes nomes, discussões inéditas e sucesso de audiência

Todo primeiro final de semana de julho cooperativistas ao redor do mundo se unem para fortalecer um único propósito e disseminar com orgulho a corrente da cooperação. Esse é o Dia Internacional do Cooperativismo. A data que foi proclamada pela ONU em 1992 busca promover os ideais e ações que o movimento pratica nos quatro cantos do planeta.

Em 2021, o tema escolhido pela Aliança Internacional Cooperativa (ACI) para comemorar esse dia tão especial foi “Reconstruir Melhor Juntos”, que reforça a atuação do movimento cooperativista no enfretamento da pandemia com solidariedade e resiliência.

No Brasil, essa mesma data marca também o Dia de Cooperar (Dia C). A celebração brasileira, que nasceu em 2009, integra o movimento mundial e destaca o impacto das cooperativas nas comunidades, grandes responsáveis pelo desenvolvimento das mais diferentes regiões do país e, principalmente, pela construção de uma sociedade melhor pós-Covid.

E para contribuir com essa comemoração, a MundoCoop promoveu o CoopTalks Summit. Com a oportunidade de levar o movimento cooperativista para muito mais pessoas através do ambiente digital, o evento aconteceu em 4 dias (29/30 de junho e 01/02 de julho) e reuniu especialistas renomados no mercado para falar sobre os mais diversos temas como inovação, tecnologia, gestão, sustentabilidade, cooperativismo, liderança, futuro e tendências.

Esse grande circuito de palestras foi um sucesso de audiência, mas, além disso, levou para mais os mais de 6 mil inscritos a mensagem de que juntos precisamos refletir sobre os nossos sucessos e nossos desafios e questionar o que criaremos para o futuro.

O CoopTalks Summit foi uma grande experiência pensada para instigar ideias inovadoras, incentivar a prática de ações que fazem a diferença e potencializar conhecimentos, afim de impulsionar as principais estratégias que geram o valor que precisamos construir.

Ficou curioso? Venha se aprofundar nessa cultura da transformação!

Dia 1: O futuro começa agora

Com mais de 15 milhões de cooperados, o movimento cooperativista brasileiro traz consigo uma história inspiradora de transformação social e, atualmente, se tornou também sinônimo de sucesso, ganhando cada vez mais destaque como um dos melhores modelos a serem seguidos tanto no mercado quanto na sociedade em geral. Além disso, o cooperativismo é um grande incentivador de discussões necessárias e instiga diariamente as pessoas a buscarem o novo. E foi nesse grandioso cenário que o CoopTalks Summit foi iniciado!

Abrindo oficialmente o primeiro dia do evento, o Diretor da MundoCoop, Douglas Ferreira, falou sobre a representatividade da data comemorada e da importância da criação de ambientes de debate de ideias sobre o futuro coletivo. Tema esse que foi o centro da palestra que deu inicio às apresentações.

Fazendo uma ligação entre o hoje e o amanhã, o Futurista e SXSW Speaker, Gui Rangel, abriu espaço para o diálogo “Olhando para o Futuro para Transformar o Presente”, onde destacou a relevância de se observar tudo que acontece à nossa volta, pois as ferramentas necessárias para pensar e transformar o futuro já estão aqui. Ao analisar o contexto atual, Rangel frisou que a condição de incerteza e caos é o que impulsiona as mudanças e, por isso, as organizações – cooperativas ou não – precisam repensar seus processos e práticas, de forma a intensificar a relação entre homem e máquina, compreendendo também a tecnologia como um caminho para a disrupcão.

“Temos uma visão míope. Olhamos para o que está longe, mas não conseguimos nos associar a isso” – Gui Rangel

Dando continuidade ao debate sobre novas visões que estão moldando a sociedade, o Professor em Governança e Sustentabilidade do ISAE, Rodrigo Casagrande, trouxe sua fala sobre “ESG, a bola da vez e um caminho sem volta”. Casagrande reforçou que o mundo está vivendo uma revolução cultural voltada para a sustentabilidade e o alinhamento das organizações e cooperativas com o ESG se tornou uma prioridade. Dentro desse conceito, Casagrande fez questão de ressaltar o papel das questões sociais e a necessidade de repensar velhas práticas para criar um ambiente verdadeiramente mais igualitário, justo, inclusivo e livre de preconceitos.

“O mundo precisa de nós. Mas precisamos mostrar que estamos em conformidade com as novas exigências” – Rodrigo Casagrande

Romeo Busarello, diretor de MKT e ambientes digitais da Tecnisa, iniciou a terceira palestra do dia com o tema “Tecnologia e estratégias de negócios”. Durante sua fala, o público do CoopTalks Summit pode ter contato com as transições que a sociedade vem presenciando nos últimos anos, com uma intensa transformação de processos, que hoje tem como principal ativo os milhares de dados que produzimos diariamente. Busarello ainda destacou a adoção de diferentes comportamentos, agora pautados em novos hábitos de consumo e, principalmente, novos hábitos digitais. Seguindo a linha de raciocínio levantada na apresentação, Busarello deu ênfase ao paralelo e diferença entre mudança de cultura e cultura de mudança, concluindo que “o que nos trouxe até aqui, não irá nos levar adiante” e enfatizando a importância de investir na educação como forma de trilhar o futuro em busca de novas oportunidades.

“Quem não pensa o futuro, trabalha o presente usando ferramentas do passado” – Romeo Busarello

Para encerrar o primeiro dia do evento, o Professor PHD da FGV, Eduardo Marostica, apostou na reflexão sobre “Novos tempos, novas atitudes”. Em sua palestra, Marostica reforçou a presença das pessoas como indispensável em todos os processos e que isso é o que cria uma real vantagem competitiva no mercado. Além disso, ele fez questão de emendar dizendo que a transformação digital não é sobre tecnologia, mas sobre pessoas e a inovação feita por elas. Em um segundo momento, Marostica ainda salientou como é fundamental que qualquer um, sejam cooperados ou não, tenha coragem de mudar pensamentos para que a mudança aconteça. Como destacou, é preciso fazer mais para que as mudanças que esperamos aconteçam. E elas partem de pequenos passos, e não de movimentos extraordinários.

“O maior obstáculo do sucesso futuro de uma empresa, é o sucesso passado” – Eduardo Marostica

Dia 2: O avanço tecnológico acontece na humanização

O sucesso do cooperativismo advém de seu impacto na vida de milhões de pessoas que enxergam nas cooperativas a oportunidade de crescer, conquistar e se tornar aquilo que sempre almejaram. E foi destacando esse alcance e participação cooperativista na sociedade que o Diretor da MundoCoop, Luis Claudio, abriu o segundo dia do CoopTalks Summit.

Para iniciar a rodada de palestras, a Comunicadora e Fundadora da Anima Convivência, Vânia Bueno, marcou presença com o tema “Três C’s: Comunicação, Convivência e Cooperativismo”. Vânia começou explanando como o mundo precisa cada vez mais de valores que estão por trás da proposta cooperativista. Para ela, olhar de forma ampla e inclusiva, ainda é um desafio para as empresas e o cooperativismo sai na frente nessa missão. Em seguida, Vânia ressaltou que o caminho para alcançar o pensamento coletivo está na comunicação e como boas habilidades de comunicação levam ao desenvolvimento. Entretanto, ela deixou claro que a comunicação é uma via de mão dupla que demanda compreensão do ouvinte e entendimento de fatores que exercem impacto sobre a comunicação, como as emoções. Vânia finalizou reforçando que não é possível não se comunicar no mundo e é justamente essa interação que vai abrir uma janela ou construir um muro. E janelas abertas são essenciais para uma verdadeira cooperação.

“Devido aos processos de comunicação, precisamos nos adaptar e aprender a viver neste novo mundo” – Vânia Bueno

O CoopTalks Summit seguiu com a presença da Coordenadora de Inovação do Sistema OCB, Samara Araujo, com a palestra “Inovação no Cooperativismo”. Em sua explanação, ela frisou que inovação não é apenas falar sobre futuro, mas também estar atendo ao grande volume de transformações que estão acontecendo a todo momento, buscando entender que os problemas de hoje não serão resolvidos como os do passado. Além disso, Araujo destacou o papel do mundo digital neste novo momento mundial, e como as cooperativas estão modificando práticas para estarem integradas à uma geração de nativos digitais. Práticas, que incluem plataformas de integração de cooperativas e cooperados, onde a intercooperação foi transportada para o ambiente virtual. Araujo concluiu sua participação compartilhando as ações que o Sistema OCB tem realizado, com o oferecimento de cursos e plataformas de capacitação, como a Inovacoop.

“Antes de pensarmos em tecnologia, precisamos pensar em pessoas” – Samara Araujo

Prosseguindo com o evento, o Consultor em Cooperativismo, Silvio Giusti, apresentou um panorama do cooperativismo de crédito com a palestra “Ênfase na distinção das cooperativas de crédito”. Durante sua fala, ele destacou o alcance das instituições financeiras cooperativas, que a cada dia estão mais presentes na vida dos brasileiros. Além disso, Giusti reforçou que, através de ações e práticas pautadas nos princípios do cooperativismo, o ramo crédito tem se destacado como um dos protagonistas da recuperação econômica pós-pandemia da Covid-19. Ainda sobre o impacto das cooperativas, ele citou a promoção do desenvolvimento sustentável local, do conhecimento e do protagonismo e a inserção do propósito como os maiores diferenciais de atuação. E para finalizar, Giusti ainda reforçou que as cooperativas devem compreender sua extensão e efeito, para assim, gerarem ainda mais valor e prosperidade coletiva.

“As cooperativas são protagonistas neste momento de recuperação da economia” – Silvio Giust

Encerrando o segundo dia do CoopTalks Summit, o CEO da HSM e Co-CEO da Singularity Brazil, Reynaldo Gama, trouxe para debate o tema “O Futuro da Educação e a Educação do Futuro”. Em sua palestra, ele enfatizou que a era atual se baseia no ineditismo, e por isso, é preciso que ter um contínuo processo de reaprendizado, onde é necessário compreender que convicções e verdades antigas devem ser deixadas para trás. “A principal habilidade do futuro é desaprender, e aprender novas habilidades”. Inserindo a educação nesse futuro, Gama ainda ressaltou os desafios que o sistema de Ensino enfrenta hoje, com práticas muitas vezes ultrapassadas e desinteressantes, e mostrou como é possível criar uma nova forma de Educação, utilizando as ferramentas tecnológicas existentes hoje, sem deixar a humanização desse processo em segundo plano. Finalizando sua fala com importantes reflexões, Gama deixou claro que sociedade deve se preparar para garantir um novo tipo de ensino para nossos jovens.

“Hoje, todas as empresas são empresas de tecnologia. No futuro, elas serão empresas de educação” – Reynaldo Gama

Dia 3: A capacidade de transformar culturas 

Diante dos desafios e oportunidades da nova era, se adaptar às mudanças se tornou uma necessidade e, quando trazemos essa reflexão para dentro de um negócio, abordamos o desenvolvimento e a capacidade de transformação da cultura e das pessoas. E foi essa premissa que tomou conta do terceiro dia de CoopTalks Summit.

Apresentado e mediado pelo diretor da MundoCoop, Douglas Ferreira, que reforçou as comemorações e feitos do Dia de Cooperar (Dia C), o circuito de palestras foi iniciado com a presença de Daniel M. Ely, Vice-Presidente Executivo e Chief Transformation Officer (CTO) das Empresas Randon. Com a palestra intitulada “Inovação Corporativa”, ele destacou o papel da cultura organizacional dentro do desenvolvimento das empresas e como é preciso ressignificar velhas crenças e valores para que haja um crescimento alinhado com o mundo atual. Ely ainda elencou como bons líderes devem potencializar as competências de seus colaboradores e como a inovação deve ser algo disseminado em toda a estrutura corporativa, não se limitando a setores e departamentos.

“Transformação digital é quando começamos a entender que a primeira mudança a ser feita é na mentalidade da gestão, transformando o ambiente de colaboração” – Daniel M. Ely

Em seguida, o palco virtual contou com a participação de Wagner Oliveira, Treinador Corporativo e Palestrante. Na palestra “Protagonismo”, o coach profissional compartilhou com o público o que realmente significa se tornar a peça principal de algo, seja na carreira ou na vida pessoal. Em sua fala, Oliveira abordou como as cooperativas tornaram-se protagonistas nas sociedades onde estão inseridas – realizando uma profunda transformação em cidades inteiras – e reforçou que para se tornar protagonista, é preciso identificar e potencializar as competências individuais sem deixar de lado os valores que nos constroem.

“Os princípios do cooperativismo diferenciam o movimento de outras organizações. E o fato de sermos cooperativistas, não implica em sermos coadjuvantes” – Wagner Oliveira

Logo depois, a segunda parte das apresentações se iniciou com a participação de Andrea Iorio, Palestrante e escritor Best-seller. Em “Inovação e Transformação Digital no Cooperativismo”, o convidado destacou o poder da tomada de decisões no desenvolvimento de ferramentas e serviços para o público com o uso de pesquisa de dados eficientes e ressaltou como a sociedade de hoje levantou novos desafios para as mentes criativas, com um mundo mais interconectado e com mudanças constantes onde os ciclos de inovação são menores. Em seguida, foram elencadas as etapas da implementação digital nas cooperativas, que deve passar pela identificação das demandas e o entendimento do que realmente é necessário e interessante para os cooperados e para a comunidade onde a cooperativa está inserida, definindo que essa prática deve se iniciar por pequenas ações, focadas no que é preciso, identificando o que funciona e o que não funciona.

“Só tomar decisões não basta, é preciso agir em cima delas” – Andrea Iorio

Encerrando o penúltimo dia de palestras, o evento trouxe o Professor Global e Inovador, Gil Giardelli. Na palestra “O imponderável e a Sociedade do Futuro”, foi destacado como a sociedade do futuro precisará conciliar novas e velhas ferramentas para a criação de um mundo mais sustentável, integrado e eficiente. Giardelli apresentou para os participantes uma sequência de inovações que já estão mudando o cenário do cooperativismo, como as fazendas verticais e máquinas que estão revolucionando a forma como cultivamos alimentos. O convidado concluiu ressaltando a importância da sustentabilidade na sociedade do futuro, algo que já se está se tornando um dos temas mais importantes para as lideranças de hoje e que já é presente no movimento cooperativista desde sua criação.

“A inovação verde traz o melhor da cooperação e das cidades inteligentes” – Gil Giardelli

Dia 4: Inovação e cooperação com propósito

Atingir objetivos de maneira eficaz e inovadora, valorizando o conhecimento e habilidades das pessoas, foi o foco do quarto e último dia de CoopTalks Summit mediado pelo diretor da MundoCoop, Luis Claudio, que reforçou o papel que o cooperativismo desempenha no desenvolvimento da sociedade atual. 

Dando início ao circuito de apresentações, o palco virtual contou com a presença da Consultora de Empresas e Mentora de Carreiras, Anna Cherubina Scofano. Sua palestra “Futuro do Trabalho com Propósito” destacou o momento que o mundo do trabalho está vivendo: o choque entre homem e máquina, ressaltando um período de reconfiguração dos valores de trabalho, além dos desafios em um mundo cada vez mais fluido. Scofano ainda fez questão de enfatizar como a pandemia veio como uma janela de oportunidades, criando novas reflexões para que deixemos o mundo antigo para trás e entremos numa nova era das relações pessoais e profissionais. Para concluir, ela lembrou o público da importância do trabalho coletivo na busca de um propósito e de como as cooperativas estão sendo pioneiras neste novo modo de se relacionar com o mercado e com as pessoas.

“A busca não faz sentido se os propósitos não tiverem voltados à mudança (…) e os sete princípios do cooperativismo estão em alinhamento com o cenário atual do mundo” – Anna Cherubina Scofano

Seguindo, o encontro recebeu a palestra “O Direito das Cooperativas e sua Interação com o Ecossistema de Inovação”, comandada pelo Diretor da Faculdade de Tecnologia Escoop, Mario de Conto. Em sua apresentação, Mario evidenciou os benefícios e os desafios da economia de plataforma que, com a disseminação das ferramentas digitais, criou um novo modelo de negócio pautado em plataformas que agregam serviços, produtos, valores e, principalmente, aproximam as pessoas. Conto concluiu destacando a participação desse novo modelo na economia (que até 2025 deve chegar a 30%), além de mostrar como as cooperativas já estão abraçando esse novo modelo com exemplos já em andamento no Canadá e nos EUA.

“Economia de plataforma é um novo modelo de negócio que faz a intermediação para a criação de valor” – Mario de Conto

A segunda rodada de apresentações seguiu com a participação de Márcio Nami, Economista Comportamental. Em sua palestra “Economia Comportamental: Inovação e Cooperação”, ele frisou como as cooperativas podem ser agentes mais eficientes no oferecimento de uma educação financeira para seus cooperados. Entre os destaques de sua fala, estão a necessidade de simplificar processos e entender que modelos pré-definidos não levarão a uma verdadeira consciência financeira, destacando que é preciso entender os cooperados e ajudá-los no processo de assimilação de suas realidades. Nami concluiu sua participação ressaltando um ponto importante: processos simples tem maior capacidade de impacto e difusão.

“O maior conhecimento da realidade financeira é o próprio indivíduo” – Marcio Nami

Fechando o quarto e último dia com chave de ouro, o palco virtual recebeu Thammy Marcato, Diretora de Ecossistema e Inovação. Em “Transformação e Inovação Aberta: Porque cooperação maximiza valor”, Marcato enfatizou como as cooperativas estão trabalhando para o oferecimento de serviços, produtos e ações que realmente estejam alinhadas com as demandas do mercado. Em sua fala, foi destacada a importância de colocar o fator humano no centro de tudo, além de entender as ferramentas digitais como um meio para um determinado fim. Thammy concluiu sua participação mostrando como a inovação aberta pode ser uma ferramenta para maximizar o alcance das cooperativas, destacando ainda como o cooperativismo possui em seu DNA essa capacidade de se flexibilizar e trabalhar junto aos seus concorrentes para a obtenção de mais valor e impacto social.

“A transformação digital muda a forma e a substância – como as coisas são feitas, e o que é feito – reescrevendo o mundo possível, criando novas possibilidades” – Thammy Marcato

CoopTalks Summit 2021: A força do conhecimento

Entre 4 dias de palestras, com a presença de 16 convidados e mais de 12 horas de conteúdo, o CoopTalks Summit 2021 cumpriu sua missão de homenagear o Dia Internacional do Cooperativismo e o Dia de Cooperar (Dia C).

Como dizia o grande patrono do cooperativismo, Padre Theodor Amstad, “a reflexão deve vir acompanhada da ação”, e esse grande encontro foi finalizado com a certeza de que alcançamos milhares de pessoas em todo o Brasil com novas reflexões, ideias e perspectivas de mundo. Agora é continuar colocando em prática o que as cooperativas fazem de melhor: agir.

E para você que quer rever o que aconteceu, aponte o celular para o QRCode e confira todos os dias de evento.

Até ano que vem com mais um CoopTalks Summit!


Por Fernanda Ricardi e Jady Mathias Peroni – Matéria publicada na Revista MundoCoop, edição 100



Publicidade