Parceria entre OCB e DGRV fortalece cooperativismo de crédito brasileiro

Publicado em: 21 junho - 2016

Leia todas


Foco da cooperação técnica são os estados das regiões Norte e Nordeste do país

Representantes de cooperativas de crédito de oito estados das regiões Norte e Nordeste foram capacitados, ao longo do mês de maio, pela Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV). O trabalho faz parte de um acordo de cooperação técnica celebrado com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Os estados contemplados com a iniciativa são os nortistas Acre, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e, os nordestinos, Bahia e Paraíba. A capacitação, em cada estado, cujo tema foi Concessão e Recuperação de Crédito e as Oportunidades no atual cenário, durou 16h.

O Projeto OCB/DGRV objetiva apoiar o fortalecimento e o desenvolvimento de cooperativas de crédito regiões Norte e Nordeste do país, por meio de eventos de capacitação, alicerçados na melhoria da gestão e da governança no setor. As atividades do projeto contam, ainda, com o apoio das unidades estaduais da OCB e das cooperativas centrais de crédito.

TEMA – O diretor de projeto da DGRV no Brasil, Matthias Knoch, explicou que, no ano passado, o tema abordado foi Governança – do papel à prática e, ainda, o motivo da escolha do tema para 2016. “E, agora, a justificativa para a escolha do tema foi de que após muitos anos de estabilidade econômica, que permitiam um certo grau de conforto e certezas no ambiente financeiro, o Brasil voltou a conviver com situações de maior risco e de instabilidade política e econômica, afetando fortemente a vida de toda a sociedade e impactando negativamente em vários setores”, enfatiza Matthias.

Diante disso, segundo o diretor do projeto, constatou-se uma acentuada alteração nos indicadores econômicos do país e, portanto, no comportamento financeiro e, finalmente, na estrutura social dos brasileiros. “Tais situações tendem a refletir em aumento da falta de capacidade de pagamento de suas obrigações financeiras e, ao mesmo tempo, em uma maior procura por crédito, gerando desta forma, vetores de pressão sobre as instituições financeiras em meio a um ambiente de maior riscos e incertezas”, analisa.

COOPERATIVISMO – Na visão da gerente técnica e econômica da OCB, Clara Maffia, para que o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo permaneça em contínua expansão no Sistema Financeiro Nacional, além do crescimento da base de associados, especialmente pessoas jurídicas, as cooperativas devem estar preparadas.

“Elas devem mensurar adequadamente os riscos, mapear as probabilidades, reduzir as exposições às perdas dentro desse novo ambiente de incertezas, de tal sorte que não fiquem estagnadas a ponto de diminuir bruscamente suas operações de crédito, esperando que o ambiente melhore, perdendo espaço e oportunidades”, defende a gerente.

Segundo Clara Maffia, tudo isso é necessário às cooperativas, para que tenham condições adequadas de mitigar possíveis perdas melhorando a qualidade, a eficiência e a capacidade de avaliação, concessão e recuperação de crédito, além de aproveitar possíveis oportunidades de negócios.

METODOLOGIA – O especialista em cooperativas de crédito, Sílvio Giusti, é o responsável pela metodologia da capacitação. Ele informa que o conteúdo e formato do curso foram construídos para atingir objetivos estratégicos, onde os participantes conseguissem ter acesso a informações da macroeconomia e pudessem interpretar e vincular os impactos dessas informações com o ambiente da cooperativa e seus sócios.

“Isso permite uma maior capacidade de compreensão sobre os indicadores financeiros e socioeconômicos, de tal sorte, que tenham melhores condições de enxergar, de forma antecipada, algum reflexo na economia local, ou de alguma atividade específica onde atuam os associados, e reposicionar o processo de concessão de crédito com base nas tendências e situações de mercado e cenário”, explica o especialista.

SUBSÍDIOS À TOMADA DE DECISÃO – A programação se deu por meio da contextualização e avaliação de cenários e, ainda, do debate de estratégias para a melhor condução das tomadas de decisões, pertinentes à carteira de crédito e consequentemente, aos resultados da cooperativa. “Também enfocamos bastante sobre a análise de risco e a concessão de crédito, enfatizando a importância da área de crédito, o papel do cadastro, de dados & informações, sobre o crédito sustentável, política de crédito, gestão de risco, desburocratização, mitigação de perdas e orientação ao ‘crédito solução’”, comentou Silvio Giusti.

Os cooperativistas também tiveram a oportunidade de debater, ainda, sobre gestão preventiva de inadimplência, educação financeira, monitoramento e acompanhamento, qualificação do pessoal, ciclo da concessão de crédito até a recuperação, sinais de alerta e créditos problemáticos, estratégias preventivas e de gestão de cobrança, assim como, as possíveis oportunidades de negócios das cooperativas em função do atual cenário financeiro.

PERFIL DOS PARTICIPANTES – Foram mais de 120 horas, distribuídas em oito estados, atingindo cerca de 250 participantes, composto pelos seguintes perfis: técnicos 50%, executivos 38%, presidentes 6%, conselheiros de administração 4% e, conselheiros fiscais, 2%.

AVALIAÇÃO – Conforme o público participante, a avaliação geral do evento, atingiu 52% de forma excelente; sendo que a ampliação de conhecimento, atingiu 55% de forma excelente; a ampliação de compreensão, atingiu 50% de forma excelente; a ampliação de aplicação, atingiu 45% de forma excelente e a utilidade do conteúdo do evento, atingiu 56% de forma excelente.