Cooperativa impulsiona o extrativismo sustentável em Januária

Publicado em: 10 abril - 2017

Leia todas


Frutos são comercializados com a parcerias de outras cooperativas (Foto: Cooperuaçu/Divulgação)

O trabalho desenvolvido por uma cooperativa busca fortalecer o extrativismo sustentável no Norte de Minas. Fundada em 2013, a Cooperativa dos Agricultores Familiares e Agroextrativistas do Vale do Peruaçu (Cooperuaçu) comercializa produtos derivados de frutos do cerrado, no município de Januária.

Um dos principais objetivos da cooperativa é incentivar a produção de frutos do cerrado. Neste caso, o pequi ganha destaque. A cooperativa aproveita todas as formas de comercializar o fruto, que é nativo da região. Dele são extraídos o óleo, a polpa em conserva, creme e farofa da castanha.

Mas, outros frutos também são cultivados e comercializados pelos 60 produtores da cooperativa. Um destes integrantes é o produtor Jorge Martins Correia, de 55 anos, que se filiou à cooperativa desde a fundação. Ele conta que em sua propriedade, com cerca de 12 hectares, são produzidos pequi, coquinho, cagaita, jatobá e cabeça de nego.

“Hoje o lucro que tenho é bastante gratificante; garanto uma renda boa. Prefiro comercializar os frutos, a criar gado aqui. O lucro que obtemos com a criação de gado não se iguala ao lucro com a produção de coquinho, e ainda tem os outros frutos”, afirma o produtor.

Os frutos levados à cooperativa são processados para melhor comercializa-los. “Lá são encontradas as melhores formas para comercializar os frutos. De alguns são feitos doces, outros são tiradas as polpas ou sucos”, explica o produtor.

A exploração de outros mercados, inclusive internacionais, são almejados com parcerias de outras cooperativas. “Nós temos boa relação com a Central do Cerrado, que é a Central de Cooperativas do Cerrado que fica em Brasília (DF). Tem boa relação com Copae, com a Grande Sertão Veredas da Chapada Gaúcha, e com a Grande Sertão de Montes Claros, que é grande parceira comercial. Produzimos o creme de pequi, e, com a ajuda da Central do Cerrado, enviamos algumas receitas para o Japão. Eles aprovaram, e recentemente nos pediram uma carga bem maior”, explica o coordenador da Cooperuaçu, Joel Sirqueira.

 

Fonte: G1 – Globo



Publicidade