Cooperativismo esteve presente no Fórum Brasileiro da Indústria de Alimentos

Publicado em: 22 junho - 2016

Leia todas


image003

 

Goiânia sediou na sexta-feira (17) a quarta edição do Fórum Brasileiro da Indústria de Alimentos. O sistema cooperativista esteve representado pelo ex-ministro da agricultura Roberto Rodrigues, embaixador especial da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) para o Cooperativismo e também presidente do Grupo de Líderes Empresariais (LIDE), que promove o evento.

Além de Roberto Rodrigues, o cooperativismo também esteve representado pelo presidente da Cooperativa Agroindustrial dos produtores rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), Antônio Chavaglia. Ele foi debatedor em um dos painéis dentro da programação oficial. A Comigo também foi uma das premiadas no 4° Prêmio LIDE da Indústria de Alimentos 2016 para empresas de destaque no mercado nacional da Alimentação. A cooperativa recebeu um prêmio na categoria Inovação e Tecnologia em Produtos.

Líder do setor que debate Agronegócios do Lide, Roberto Rodrigues defendeu que o Brasil precisa agregar mais valor aos seus produtos e assim ganhar em competitividade. Segundo ele, o Brasil é hoje o maior exportador de sete commodities (café, soja, suco de laranja, açúcar, carne de frango, carne bovina e tabaco). Mas, por conta de gargalos internos e do comércio internacional, ainda se agrega pouco valor a esta produção.

Roberto Rodrigues citou o exemplo do café para ilustrar este cenário. “O Brasil exporta 27% da produção de café mundial. Menos de 2% desse total é torrado e moído aqui. Os campeões mundiais em café torrado e moído são Alemanha e Itália – dois países que não plantam um pé de café sequer. Eles pegam nosso café, da Colômbia, Vietnã e da Costa Rica misturam, torram e moem. O Brasil tem de ocupar este posto”, disse.

O evento reuniu mais de 200 lideranças empresariais e políticas da cadeia da alimentação e focou em aspectos ligados ao mercado mundial de alimentos industrializados, pauta de grande interesse em razão do Brasil ser um dos maiores produtores de alimentos do Planeta. Dentre os palestrantes o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE, também defendeu a importância do Brasil agregar valor aos seus produtos e enfatizou a necessidade de se criar umbrand (marca de fábrica) para os produtos brasileiros, a exemplo das tulipas da Holanda, dos vinhos franceses ou do bacalhau de Portugal.

O governador Marconi Perillo também esteve na abertura Fórum. Ele foi mais um a afirmar que o Brasil precisa avançar na agregação de valor de sua produção primária para garantir maior geração de emprego e renda. “A indústria da alimentação verticaliza nossa produção primária. Quando exportamos matéria-prima, sem agregação de valor, estamos exportando também empregos, que seriam gerados se tivéssemos uma indústria realizando este trabalho aqui. Quanto mais processamos matéria-prima, mais empregos criamos. É isso que temos de incentivar para o desenvolvimento industrial”, destacou.

(Com informações da Assessoria de Imprensa do Governo de Goiás)



Publicidade