MISSÃO TÉCNICA: Brasileiros conhecem fontes de energias renováveis usadas por cooperativas alemãs

Publicado em: 24 outubro - 2016

Leia todas


Cooperativistas brasileiros realizaram de 17 a 21 de outubro, uma visita técnica na Alemanha para conhecer fontes de energias renováveis utilizadas pelas cooperativas daquele país.

Ao todo são 16 pessoas, entre as quais, profissionais da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), do Sistema OCB/RJ, Sicoob, Sicredi, Unicred, Sistema Ocepar, das cooperativas paranaenses C. Vale e Castrolanda, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da empresa Giz/Ideal, além de representantes da Confederação Alemã de Cooperativas (DGRV), que organizou a missão técnica.

Visita – Na segunda-feira, os brasileiros estiveram na Confederação das Cooperativas da Região da Bavária (GVB), onde conheceram a estrutura organizacional, os modelos de cooperativas de energia e o mercado de energia na área de atuação da GVB. “As cooperativas de eletrificação rural iniciaram suas atividades há mais de 100 anos. Elas foram as propulsoras do cooperativismo no interior da Alemanha. Atualmente, são 261 cooperativas de energia, entre as quais 111 fotovoltaica, 18 de biogás, 16 de serviços e 5 éolicas”, afirmou o engenheiro agrônomo e assessor da área de meio ambiente do Sistema Ocepar, Silvio Krinski, que integra a delegação.

Consumo de energia elétrica – Ainda de acordo com ele, naquele país, o consumo de energia elétrica, em 2015, foi de 651,8 bilhões kWh. Deste total, 30% é proveniente de fontes renováveis, 14,4% nuclear, 41,9% carvão mineral, 9,1% gás natural e 4,8% outros. O 30% de energia renovável são divididos em 12% éolica, gerada na terra, 1,3% éolica, gerada no mar, 6,8% biomassa, 3% hídrica, 5,9% fotovoltaica, 0,9% reciclagem de lixo e 0,27% geotérmica.

Roteiro – O assessor da Ocepar informou ainda que a missão técnica na Alemanha inclui visitas a cooperativas de energia renovável  (fotovoltaica  e  biogás),  para  que os brasileiros possam obter uma visão  geral do trabalho que realizam, desde  sua  constituição  até  seu  funcionamento  profissional. Eles irão ainda a uma instituição central de apoio às cooperativas de base, que atua nos negócios  e  na  comercialização da  energia  gerada e visitarão também bancos  cooperativos, para conhecer os  produtos  e  modelos  para financiamento  de  projetos  de  energia  renovável,  além  de outras  formas e  organizações  para  o  financiamento.  “Ao final, haverá um momento para discussão e reflexão entre os participantes  do  que  foi  visto  e  possíveis  transferências ou  adaptações  no  Brasil”, ressaltou Krinski.