Parceria entre Brasil e Alemanha deve impulsionar cooperativas agropecuárias

Publicado em: 21 junho - 2016

Leia todas


brasil_alemanha

 

Representantes da Confederação Alemã das Cooperativas (DGRV) e da Academia das Cooperativas Alemãs (ADG) se reuniram na sexta-feira (17/06), em Brasília, com o superintendente do Sistema OCB, Renato Nobile, e com a gerente geral Tânia Zanella (OCB), com o objetivo de apresentar o resultado do diagnóstico feito nos últimos dias nos estados do Paraná, São Paulo e Espírito Santo, a partir de em vistas realizadas em cooperativas agropecuárias.

Presenças – Os superintendentes destas três unidades estaduais visitadas, além do presidente do Sistema Ocergs, Vergílio Perius, participaram da reunião, realizada na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras. Da reunião, participaram, ainda, representantes do Ministério da Agricultura da Alemanha e da Embaixada alemã.

Visita técnica – A visita técnica da missão alemã é uma das etapas de projeto-piloto a ser desenvolvido em parceria com as organizações estaduais e cooperativas agropecuárias brasileiras, a exemplo do que já ocorre, com sucesso, no estado do Rio de Grande do Sul.

Diagnóstico – A parceria técnica entre DGRV e OCB prevê um diagnóstico das cooperativas brasileiras e o apoio alemão, focado em áreas como gestão, produtividade e negócios. Em princípio, três estados foram validados pela Diretoria da OCB para participar do projeto-piloto: São Paulo, Espírito Santo e Paraná. A Confederação Alemã possui vasta experiência no auxílio do desenvolvimento cooperativista de diversos países do mundo.
Intercooperação- Dentre as impressões apresentadas estão, por exemplo, a necessidade de intercooperação entre as unidades avaliadas no projeto-piloto, com o intuito de trocar experiências para problemas e desafios comuns, já que cada estado possui soluções e alternativas importantes e que podem gerar uma padronização em processos de gestão e de produção, por exemplo.

Próximos passos – Desta forma, os representantes da DGRV e da ADG propuseram os próximos passos do projeto-piloto, baseado em atividades a serem desenvolvidas por três grupos de trabalho até meados de 2017. Os GTs (listados abaixo) serão compostos, incialmente, por representantes da DGRV, da unidade nacional e dos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Espírito Santo, mas eventualmente, demandarão o apoio de outras áreas tanto da unidade nacional quanto de outras organizações estaduais.

GT  de Desenvolvimento de Recursos Humanos – A proposta é desenvolver um diagnóstico dos processos gerenciais para identificar as oportunidades de melhorias. Para isso, uma ferramenta que deverá ser utilizada é o PDGC. Além disso, a intenção é promover uma apropriação do conteúdo de programas de gestão e governança por técnicos de unidades estaduais e das cooperativas agropecuárias. Uma série de eventos deverá ser realizada a fim de estabelecer diretrizes de qualidade e padrões mínimos para capacitações.

GT Consultoria Estratégica – Fomentará a troca de dados, por meio do software GDA, entre unidades estaduais do RS, PR, SP, ES, MS e GO. O GT também contará com eventos de capacitação de auditores internos baseada em riscos, assistência e planejamento estratégico.
– GT Intercooperação Técnica e de Negócios– se encarregará de realizar um seminário internacional, no Rio Grande do Sul, em novembro, com o objetivo de estimular a troca de experiências, intercooperação e fusões. A proposta inicial é a apresentação de casos de sucesso, seguida por rodadas de negócios que envolvam Brasil, Alemanha e Argentina.

Avaliação – Segundo a DGRV, em julho do ano que vem, uma nova reunião de avaliação será realizada com a intenção de definir a renovação, por três anos, da cooperação técnica.

Excelência – Para Renato Nobile, o apoio de um movimento cooperativista consagrado pela excelência, como é o caso do modelo alemão, é de grande valia para a ampliação da competitividade das cooperativas do Brasil. “É com muita satisfação que celebramos esta parceria técnica. Não temos dúvidas de que o diagnóstico feito pela DGRV bem como o suporte qualificado impulsionarão o negócio cooperativismo no Brasil, tornando a rotina operacional e a gestão das cooperativas agropecuárias ainda mais profissionalizada e ampliando o leque de projetos já desenvolvidos pelas instituições”, avalia o superintendente. (Informe OCB)



Publicidade