RANKING: Paraná é o segundo maior produtor de leite do País

Publicado em: 07 outubro - 2016

Leia todas


O Paraná já é o segundo maior produtor de leite do País, ultrapassando o Rio Grande do Sul, que ocupava essa posição até 2014. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que divulgou quinta-feira (29/09) o ranking da produção nacional de leite, por estado, relativo ao ano de 2015.
Produção – Segundo o levantamento do IBGE, o Paraná produziu 4,66 bilhões de litros de leite, 60 milhões de litros a mais que o estado vizinho que produziu 4,59 bilhões de litros de leite. O maior estado produtor do País continua sendo Minas Gerais, com uma produção de 9,14 bilhões de litros de leite por ano.
Investimento – O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, lembra que o Paraná vem investindo nos últimos anos para fortalecer a cadeia produtiva do leite. Segundo ele, com estes números o Estado se consolida como o maior produtor da região Sul do País, que tem uma produção, somando os três Estados, de 12,32 bilhões de litros por ano. O Paraná participa da Aliança Láctea do Sul, que visa consolidar a cadeia produtiva, com produtos de qualidade e que tem como objetivo a exportação.
Fatores – Para Ortigara, são vários os fatores que contribuem para esse resultado. Graças a incentivos do governo do Estado a bacia leiteira do Sudoeste se tornou a maior do Paraná em produção. Na região do Arenito a atividade se tornou alternativa de renda nas pequenas e médias propriedades, que antes tinham pastagens degradadas. E até o programa Leite das Crianças, criado para atender a questão social das famílias carentes, gera uma demanda diária que fortalece a atividade.
Castro – Além disso, disse o secretário, o Governo incentiva a produção e a sua qualidade, sempre tendo a região de Castro como parâmetro a ser seguido. Segundo Ortigara, o leite produzido em Castro é disputado por laticínios de outros Estados, que valorizam a qualidade do produto desta bacia leiteira para derivados lácteos de elevado padrão.
Queijos finos – Toda a produção de leite da colônia Witmarsum, radicada no município de Palmeira, entre Ponta Grossa e Curitiba, é destinada à produção de queijos finos. Essa atividade agrega valor à produção e incentivou muitos produtores que tinham abandonado a atividade, a retornar.
Capacitação – Outro investimento que está contribuindo para esse resultado – ressaltou Ortigara, é treinamento e capacitação de produtores. O Centro de Treinamento da Produção (CTP), entidade ligada à Fundação ABC, de Castro, e o Senar Paraná treinaram muitos criadores a produzir com qualidade, inclusive da região Sudoeste, que se destaca como a que mais produz leite no Estado.
Leite Sudoeste – A região Sudoeste, com 42 municípios, já produz cerca de um bilhão e 200 milhões de litros por ano. A região, típica de pequenos produtores, já havia identificado na atividade oportunidades para gerar renda, emprego e viabilizar as pequenas propriedades. Aproveitando esse potencial, a Secretaria estadual da Agricultura e a Emater criaram o programa Leite Sudoeste, que é um projeto de fortalecimento da atividade leiteira.
Ações – O Leite Sudoeste, implantado em 2015, envolve um leque de ações desenvolvidas em parcerias com entidades públicas e da iniciativa privada com as 42 prefeituras da região. A Secretaria liberou R$ 1,18 milhão para instalação de 294 Unidades de Referência, sendo sete por município.
Execução – O programa está previsto para ser executado até 2018. Em pouco tempo já foi possível identificar que a produtividade média do rebanho leiteiro da região avançou 20%, passando de uma média de 11,5 litros por vaca/dia para 14,4 litros por vaca/dia, segundo acompanhamento da Emater.
Treinamento – O programa oferece treinamento e capacitação aos produtores, em parceria com entidade da iniciativa privada, e também orienta sobre instalação de equipamentos de ordenha, sanidade animal, gestão, nutrição, produção de pastagens e o melhoramento genético dos animais.
Leite Arenito – O governo do Estado já investiu mais de R$ 4 milhões no programa Leite Arenito, que envolve 21 municípios da região Noroeste. O programa, também em parceria com Emater e iniciativa privada, canalizou os recursos para atender a questão da alimentação dos animais, para melhorar a qualidade do leite. Por meio do programa, os produtores se adequaram às exigências da sociedade e das Instruções Normativas do Ministério da Agricultura.
Aporte – O aporte financeiro apoiou a compra de equipamentos por parte de organizações de produtores ou cooperativas. Com equipamentos apropriados e orientações de manejo, houve acréscimo de 28% no leite produzido na região, atestou o Departamento de Economia Rural (Deral).
Leite das Crianças – O programa Leite das Crianças, executado pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, atendeu 41 milhões de crianças no ano passado, um investimento de R$ 71 milhões do governo do Paraná. O programa distribui um litro de leite por dia para crianças com idade de 6 a 36 meses, que pertencem às famílias carentes, com renda per capita que não ultrapasse meio salário mínimo regional.
Fomento – Ao mesmo tempo, visa o fomento da Agricultura Familiar, proporcionando geração de emprego e renda, além da busca pela qualidade do leite com a compra garantida nos laticínios, cujos fornecedores sejam os agricultores familiares. (Agência de Notícias do Paraná)