Crédito Agrícola: o exemplo que vem de Portugal

Publicado em: 29 setembro - 2016

Leia todas


Licinio_pina

Com 675 agências e 1.497 ATMs, o centenário grupo financeiro e segurador Crédito Agrícola garante sua presença em 278 dos 308 municípios, cobrindo 633 das 3.092 freguesias em Portugal (90%) e a Região Autónoma dos Açores, constituindo-se, em 369 localidades, o único banco existente e em 616 a única ligação ao sistema bancário providenciada por ATM.

Além disso, disponibiliza todas as plataformas digitais de última geração. Esses números lhe garantem a segunda maior rede de agências do sistema financeiro português e o posicionam como a sétima maior instituição financeira em ativos. E mais: em 2015, obteve o segundo lugar do índice de confiança espontânea (com um índice de 5,9%).

Único banco cooperativo português, o Crédito Agrícola está investindo na ampliação tanto de sua base instalada quanto de seus associados. Exemplo é que até o final de 2016, terá implantado-se na região autônoma da Madeira, o que lhe conferirá presença em todos os distritos do país. Essas conqusitas, segundo informou Licínio Pina – presidente do Conselho de Administração Executivo da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo e presidente do grupo Crédito Agrícola – decorre de processo de reorganização realizado no período de 2013 a 2015, com a finalidade de “reforçar o negócio e o posicionamento do Grupo em Portugal e no estrangeiro e, assim, contribuir economica, social e culturalmente para o desenvolvimento das regiões onde está instalado”.

E o resultado é que hoje, a instituição apresenta produtos para empresas e pessoas físicas, liderando nas soluções de apoio à agricultura. A presença internacional é garantida por acordos comerciais e se estende a países da Europa ­ – Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Luxemburgo e Suíça – e à África, em Cabo Verde.

A estratégia de desenvolvimento apontada por Pina envolve satisfação das necessidades e aspirações financeiras dos clientes, promoção do desenvolvimento das comunidades locais e do investimento em projetos sustentáveis, fortalecimento da relação com os clientes via processos ágeis e excelência no serviço, e abordagem das oportunidades de negócio que apresentem perspectivas de retorno continuado de rentabilidade e de reforço dos valores cooperativos

Além disso, fiel à doutrina cooperativista, o Crédito Agrícola procura contribuir para o desenvolvimento socioeconómico e para o bem-estar das comunidades em que se insere. Isso pode ser medido pelas estatísticas referente a 2015, quando direcionou € 1,9 milhões em donativos monetários, em bens e patrocínios de ações voltadas à comunidade e apoiou 2.474 instituições desportivas e culturais.

Fundamentado em sua experiência e no desenvolvimento da instituição de que participa há 30 anos, período em que exerceu diversos cargos de gestão e administração nas diversas entidades do grupo Crédito Agrícola, Pina ressaltou em sua mensagem a necessidades de “sermos o melhor em nossos mercados, desenhando produtos com cuidado e transparência, com rentabilidade garantida, estando atentos para não criarmos problemas hoje que levem problemas para as gerações futuras”.

 



Publicidade