Especialista em Diversidade recomenda atenção para evitar impacto na economia

Publicado em: 22 setembro - 2017

Leia todas


Na última sexta-feira (15/09) a Justiça Federal do Distrito Federal concedeu liminar permitindo que psicólogos tratem gays e lésbicas como doentes.  Segundo Liliane Rocha, especialista em diversidade há 13 anos e diretora executiva da Gestão Kairós, “num país em que pelo menos 20 milhões de pessoas seriam gays ou lésbicas, essa decisão é no mínimo desastrosa. Se analisarmos apenas uma das diversas questões que envolvem o tema – que é como a decisão da Justiça pode impactar a economia e as empresas, que hoje têm em seus quadros funcionais profissionais diversos, o que isso pode representar em termos não só de retrocesso – que já o é, – mas sim em perda de dinheiro.

De acordo com a especialista,  caso as empresas não fiquem atendas, sentirão reflexos de sua posição diretamente nos resultados,  “principalmente  se elas não entenderem a importância e urgência da adoção de uma gestão para a diversidade. Já imaginaram se todos os funcionários gays e lésbicas decidissem usarem essa decisão como forma de pedir licença médica, afastar-se para realizar tratamentos médicos, será que as empresas e economia brasileira estão preparadas para a pandemia que isso pode representar?”, alerta.

Os dados brasileiros já são assustadores o suficiente, o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo para a diversidade sexual. Um homossexual é assassinado a cada 28 horas e estamos no topo do ranking do assassinato de transexuais. Claro que podemos citar também alguns avanços, em 2013 a aprovação da união estável entre casais do mesmo sexo, e mais recentemente a constituição do “O compromisso das empresas com os Direitos LGBT” que traz os 10 compromissos das empresas com as causas LGBT. E ainda o Congresso que aprovou definição de família como duas pessoas. Em 2016 o IBGE nos informou que o número de casamentos gays cresceu cinco vezes mais que entre homem e mulher.

“Nesta gangorra, entre direitos e violações, quem continua a sofrer é a população LGBT+ do país, considerada cidadã no exercício de deveres, mas não considerada cidadã no atendimento a seus direitos”, finaliza a diretora executiva da consultoria especializada em Sustentabilidade e Diversidade.



Publicidade