9ª Mostra Cultura da Fundação Aury Luiz Bodanese reúne cerca de mil pessoas

Publicado em: 07 dezembro - 2016

Leia todas


17


Na noite de 26 de novembro, o teatro do Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó (SC), recebeu cerca de mil pessoas para assistir às cerca de 20 apresentações dos trabalhos feitos pelo grupo durante o ano por 166 crianças e adolescente do Grupo Vozes do Corpo durante a 9ª Mostra Cultura, iniciativa da Fundação Aury Luiz Bodanese e da Aurora Alimentos.

A professora responsável pelo grupo, Patrícia de Lara, explicou que a decisão da temática foi uma escolha dos alunos. “As coreografias foram trabalhadas durante todo o ano. A dedicação e o comprometimento deles é que fez o sucesso da 9ª Mostra Cultural”, observou. Para Patrícia, é evidente as transformações que a dança proporciona na vida das pessoas.

“Eles se tornaram mais atentos, responsáveis, têm mais comprometimento e respeito. Esses são valores que fazem a diferença. Meu coração se enche de gratidão ao ver a evolução de cada um ao longo do ano. Essa entrega deles é que faz tudo valer a pena, o resultado superou as expectativas”, comemorou Patrícia.

A presidente da Fundação, Isabel Cristina Machado, salientou que o Grupo Vozes do Corpo tem como objetivo proporcionar por meio da dança e da música que crianças e adolescentes vivenciem a linguagem corporal, agregando elementos da arte e da educação proporcionando o exercício da cidadania. “É motivo de imensa alegria para a família Aurora Alimentos e Fundação ver o resultado desse belíssimo espetáculo. A emoção toma conta, eles são realmente incríveis”.

HÁ UM PASSO DO BOLSHOI

O pequeno Arthur Luiz Hahne Solforoso, de 10 anos, participa do Grupo há dois anos. Segundo ele, o seu grande interesse na dança sempre foi o ballet. “Eu assistia na televisão e achava incrível a maneira como os bailarinos dançavam. Eu tinha certeza que também queria dançar assim”, contou. E foi através do Grupo Vozes do Corpo que Arthur realizou seu sonho.

“É muito mais do que esperava. Dançando eu me sinto livre, quando eu subo no palco é como se não existisse mais nada além de mim e da música. É muito envolvente”. Devido ao destaque de Arthur na Fundação o primeiro grande passo rumo à sua carreira de bailarino foi dado quando ganhou uma bolsa de estudos no Espaço Dança.

Isso foi apenas o começo, o comprometimento de Arthur nas aulas e o amor pela dança o levaram mais longe. A partir de 2017 o lar de Arthur será Joinville, mais precisamente o Ballet Bolshoi. Isso porque o pequeno foi aprovado para integrar a maior equipe de Ballet do Brasil. Serão oito anos de estudos e aprimoramento da dança. “Eu estou muito feliz, não existem palavras para definir a minha alegria com essa conquista. Devo isso a professora Pati que me ensinou tudo que eu sei e também a Fundação que me deu essa oportunidade. Se não fosse isso eu jamais teria conseguido chegar lá. Serei eternamente grato por tudo isso”, agradeceu.



Publicidade