Cooperativa aplica QR Code em jornal diário

Publicado em: 18 janeiro - 2017

Leia todas


Meio de interação entre mídias impressas e digitais, o QR Code está sendo utilizado no jornal Tribuna Independente – jornal de propriedade da Cooperativa dos Jornalistas e Gráficos de Alagoas (Jorgraf) – desde a edição de 14 e 15 de janeiro.  O código pode ser acessado por meio de aparelhos celulares com câmera fotográfica e aplicativo instalado e traz praticidade aos leitores do jornal.

Marilene Canuto, diretora comercial da Jorgraf, explica que a implantação da interface atende às demandas do mercado e faz parte de um cronograma de projetos que serão implantados este ano. “São avanços, tendências de mercado, demanda e ganho. O QR Code trará ganho principalmente para quem fará uso dele, pela facilidade e velocidade do direcionamento para se chegar à informação através da internet. “ A Cooperativa Jorgraf, tendo como produtos o jornal Tribuna Independente, o portal TribunaHoje.com e a Gráfica Tribuna, não pode ficar alheia aos avanços e tendências do mercado principalmente em se tratando de tecnologias”, explica.

Os projetos vão além. Para 2018, quando a cooperativa comemora uma década de formação, a intenção é levar mais conteúdo até os parceiros, “sejam anunciantes, fornecedores, poder público, como também os anônimos que nos prestigiam assinando o nosso jornal, que além da comodidade de recebê-lo em casa logo cedinho terão agora muito mais conteúdo”, informa Canuto.

Complementando essa informação, Flávio Peixoto, diretor financeiro da Jorgraf, afirma que a iniciativa foi pensada como mais um caminho para o compartilhamento das informações e demonstra o comprometimento da cooperativa em adaptar os veículos de comunicação à atualidade. Além disso, oferta ao leitor/internauta a possibilidade de consumir cada vez mais conteúdo com ganho de tempo e informações: “com o código trazemos o nosso leitor para a plataforma online. Isso representa que estamos atentos as novas formas de compartilhamentos e as diversas ferramentas existentes. Embora essa não seja uma tecnologia tão recente, era algo que não utilizávamos”, expõe.



Publicidade