Cooperativas de taxistas investem para superar concorrência

Publicado em: 27 julho - 2016

Leia todas


taxi_02

 

Visando ampliar os negócios e inovar os serviços, as cooperativas de taxistas estão alocando esforços em inovação. Além de apostarem em aplicativos mais rápidos e funcionais para pedidos de viagem, os cooperados estão se atualizando por meio de capacitação com o apoio do Sescoop/SP (Serviço de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de São Paulo).

Na prática, os motoristas dessas cooperativas recebem do Sescoop/SP todo o apoio necessário. “Contribuímos com a elaboração dos manuais operacional, tributário e contábil destinados ao ramo de transporte, que contêm todo o suporte para que as cooperativas funcionem de maneira adequada. O acesso é gratuito e pela internet no site https://manuais.brasilcooperativo.coop.br. Somado a isso, oferecemos orientação para gestão das cooperativas e capacitação”, explica Conceição Barros, consultora do ramo transporte do Sescoop/SP.

As novidades, porém, não se devem apenas à forte concorrência que exige modernização, mas também por conta do atual perfil da clientela, cada vez mais exigente. Para se ter uma ideia da mudança deste serviço na cidade de São Paulo, a média de espera caiu de 40 para apenas dez minutos. Isso porque os aplicativos usados pelas cooperativas ganharam um avanço. Se antes a chamada era direcionada ao primeiro carro da fila de espera, hoje é enviado o veículo mais próximo ao cliente.

Segundo Daniel Sales, presidente da Coopertax/SP, o serviço dos táxis na capital paulista sempre foi eleito entre os dez melhores do mundo. São todos profissionais regulamentados e ligados a cooperativas e que, antes de saírem às ruas, passam por uma série de avaliações, incluindo psicológica, médica e de conhecimentos sobre as rotas da cidade. Sales diz que a preocupação em relação aos aplicativos de carona é que eles não precisam se adequar às normas de segurança previstas para os táxis, pois não pagam impostos, não passam pelas inúmeras avaliações e nem precisam de licença para dirigir.

Para Ismael Nogueira, presidente da Cooperativa Vermelho e Branco, a perspectiva é que a prefeitura aceite um requerimento da entidade, no qual solicita autorização para implementar tarifas oscilantes. “Desta forma, conseguimos superar a concorrência desleal que enfrentamos hoje”, diz ele que também explica que o aplicativo que usam, em breve, deverá começar a funcionar de forma unificada em todos os estados, facilitando a vida do passageiro.



Publicidade