Cooperativas do Ramo Infraestrutura faturam R$ 1,6 bilhão no RS

Publicado em: 14 setembro - 2021

Leia todas


Um dos setores de atividades da economia que mais crescem no cooperativismo gaúcho voltou a apresentar números positivos no exercício de 2020. É o que aponta o levantamento realizado pela Ocergs – Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2021 – que indica o crescimento de 15,3% no faturamento das cooperativas do ramo Infraestrutura. Ao todo, as 38 coops que integram o setor faturaram R$ 1,6 bilhão em 2020 e registraram incremento de 21,3% nas sobras apuradas, alcançando a marca de R$ 151,3 milhões.

Expansão de empregos

O bom desempenho econômico e financeiro também se aplica no âmbito social, com expansão superior a 30% nos empregos diretos. Foram 735 novos empregos gerados, dos 3.157 postos de trabalho com carteira assinada registrados em 2020.

Desenvolvimento e solidez

A solidez do ramo Infraestrutura se evidencia pela evolução do patrimônio líquido, que alcançou R$ 1,5 bilhão, refletindo a organização do setor e as boas práticas de gestão nas cooperativas. Já o conjunto de recursos financeiros e econômicos que são administrados pelas coops do ramo – os ativos – atingiram a marca de R$ 2,2 bilhões, o que representa um crescimento de 14,9%.

Melhores distribuidoras de energia elétrica do Brasil

O Rio Grande do Sul reúne cinco cooperativas entre as dez melhores distribuidoras de energia elétrica do Brasil, de acordo com a pesquisa do Índice de Satisfação do Consumidor (IASC) 2019, que apura junto aos consumidores residenciais o índice composto por cinco itens de avaliação: qualidade percebida, valor, satisfação, confiança e fidelidade.

Atualmente, as cooperativas gaúchas do setor atendem 303.752 consumidores de 369 municípios do Rio Grande do Sul. Em 2020 a energia distribuída pelas cooperativas atingiu 1.810 GWh, o que representa um acréscimo médio de 7,42% em decorrência do consumo comercial, residencial e principalmente da agroindústria.

Outro destaque fica por conta do segmento de geração, que possui 32 PCHs com uma potência instalada de 137,59 MW.

Sobre o Ramo Infraestrutura

A característica principal desse ramo é a prestação de serviços de infraestrutura básica direta e, prioritariamente, ao seu quadro social. Incorpora as atividades de geração e distribuição de energia elétrica, irrigação, telefonia, internet,
telecomunicação, saneamento básico, infraestrutura rodoviária e ferroviária, construção civil e habitação.

Na habitação, as cooperativas reúnem cooperados para construção, manutenção e administração de conjuntos habitacionais e condomínios, que usam autofinanciamentos ou créditos habitacionais oficiais. Dessa forma, têm a
possibilidade de conseguir preços de materiais e de mão de obra mais vantajosos, além de obter condições de pagamento e prazos melhores.

Na geração de energia elétrica, as cooperativas atuam na produção de energia para a venda no mercado livre e no mercado regulado. Destacam-se pela utilização de fontes renováveis: Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), fotovoltaica e biomassa.

Na distribuição de energia elétrica, as cooperativas de eletrificação rural exercem papel essencial no desenvolvimento socioeconômico de áreas rurais do Estado. Como permissionárias de serviço público, essas cooperativas estão sujeitas à fiscalização da Aneel, devendo cumprir, portanto, a legislação do setor elétrico.

Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2021

Quer saber mais sobre o ramo Infraestrutura, o desempenho do setor e os números que confirmam a posição de destaque do cooperativismo no Rio Grande do Sul? Então, acesse a Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2021 (ano-base 2020) e tenha em mãos o levantamento completo dos indicadores de desempenho dos ramos do cooperativismo gaúcho.


Fonte: Sistema Ocergs/Sescoop RS


Notícias Relacionadas:



Publicidade