Cooperativismo segue ganhando força nos períodos de crise social e econômica

Publicado em: 18 agosto - 2021

Leia todas


Criado como alternativa às condições de vida e de trabalho na Revolução Industrial, o cooperativismo segue ganhando força nos períodos de crise social e econômica.

“O momento de surgimento do cooperativismo em Rochdale deixa claro que o cooperativismo é um movimento que visa a dar algum respaldo social e principalmente econômico [aos trabalhadores] em momentos de crise”, diz o professor Mateus Neves.

Para a professora Camila Luconi Viana, a redistribuição de poder e a redução de intermediários promovidas pelo cooperativismo fazem dele uma tecnologia social ainda muito atual, que pode ajudar a repensar o mundo do trabalho de maneira mais ampla para construir relações mais justas e cadeias mais sustentáveis.

“A gente tem falado cada vez mais sobre ESG, sobre como avaliar as questões de meio ambiente, sociais e de governança de uma empresa. Tecnicamente, uma cooperativa já nasce com esses princípios. Ao fazer uma distribuição de renda, olhar para a educação, provavelmente ela pontuaria mais [em uma avaliação de ESG] do que uma empresa tradicional”, disse.

“Muita gente ainda não sabe que poderia optar por este modelo de negócio mais do bem, mais sustentável na maior parte de produtos e serviços em vez de [comprar de] uma empresa tradicional”

Camila Luconi Viana, professora e cooperativista

Apesar de ser um modelo disseminado no Brasil e no mundo, o cooperativismo ainda luta contra o desconhecimento.


Fonte: ECOA


Notícias Relacionadas:



Publicidade