Drones auxiliam no combate ao roubo de veículos de carga

Publicado em: 19 setembro - 2017

Leia todas


Dados divulgados em março deste ano, pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), os roubos de carga custaram, entre 2011 e 2016, cerca de R$ 6,1 bilhões à economia brasileira. Um caminhão é roubado a cada 23 minutos em todo o território nacional. São perdas que equivalem a R$ 3,9 milhões por dia. Em 2011 o número de registro de roubos de cargas era de 12 mil. No ano passado, foram registrados 22 mil casos de veículos de carga roubados, um aumento de 86%. As consequências do crescimento desse crime têm sido o encarecimento dos seguros, taxas extras cobradas pelas transportadoras e repasse dos custos ao consumidor. Em 2016, foram 4.056 casos acima do registrado em 2015. O Rio de Janeiro registrou 2.637 casos e São Paulo 1.453 casos a mais que no ano passado. Números divulgados na mesma época pelo comitê do setor de cargas no Reino Unido (Joint Cargo Committee), o Brasil teve em 2016, prejuízos que ultrapassaram mais de R$ 1,4 bilhão.

Esses resultados colocam o Brasil como o oitavo país mais perigoso para se transportar carga. No combate a esses indicadores, a tecnologia vem sendo usada como alternativa, com os Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT), também conhecidos como drones, conquistando espaço em todo o mundo como a mais nova arma no combate a esse tipo de crime.  Na Europa, a Espanha já se antecipa, autorizando uma empresa de transporte de valores a utilizar VANTs no monitoramento das remessas. Em Portugal, empresas do setor de transportes só aguardam a legislação que implementará o uso da tecnologia para que os dispositivos aéreos passem a operar dentro do setor de cargas.

Especificamente no Brasil, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), em maio, aprovou regulamento especial para utilização de aeronaves não tripuladas. O objetivo é tornar viáveis as operações desses equipamentos, preservando-se a segurança das pessoas. A instituição das regras também contribuirá para promover o desenvolvimento sustentável e seguro para o setor.

Com a regulamentação em vigor, empresas do segmento de transportes de cargas começam a investir no uso de VANTs para acompanhar seus veículos, monitorando embarque, trajeto e desembarque da carga, 24 horas e em tempo real. E um dos recursos que podem ser aplicados nos VANTs é o de poder fazer o reconhecimento de paradas não programadas para identificar rotas fora do itinerário.

“Os VANTs vieram pra ficar e seu uso na segurança pública ou na segurança de transportes de cargas e valores será um marco nos próximos anos”, afirma Nei Brasil, CEO da FT Sistemas. “O helicóptero pode, em situações de emergência, como uma tentativa de roubo da carga, monitorar e filmar toda a ação, possibilitando que a empresa acione suas equipes de segurança e a polícia no resgate”, frisa.



Publicidade