O papel do cidadão e das empresas na construção das Cidades do Futuro: tema de debate

Publicado em: 17 outubro - 2016

Leia todas


Os especialistas Eduardo Peixoto – executivo chefe de Negócios do CESAR – Centro de Estudos e Sistemas Avançados – e um dos coordenadores do POETAS.IT, e Natália Garcia – fundadora do projeto Cidades para Pessoas, trocam ideias com executivos e empresários sobre os desafios para a construção das Cidades do Futuro no dia 18 de outubro, das 17h30 às 21h, no espaço Red Bull Station – Praça da Bandeira, 137 – Centro, São Paulo (SP) – durante o KES – Knowledge Exchange Sessions, plataforma de conteúdo de inovação baseada em tecnologia, comportamento e criatividade. Seus encontros reúnem altos executivos de diversos setores da economia para aproximá-los de conteúdos sobre inovação.

Para discutir como empresas podem atuar neste cenário, Eduardo Peixoto vai mostrar visão estratégica em Internet das Coisas para a construção de políticas públicas, produtos e serviços que utilizem a tecnologia no desenvolvimento econômico e sustentável das cidades do futuro. A partir de sua experiência no Recife, umas das cinco cidades laboratório no mundo do modelo de desenvolvimento das smart cities, Peixoto traz outra provocação e desafio, que é como transformar o cidadão em smart citizen, preparado para dialogar com esses novos formatos cidades e contribuir para o uso dessas soluções em todo seu potencial.

As cidades inteligentes, ou Smart Cities em inglês, são aquelas que usam estrategicamente seus recursos e infraestrutura para organizar os fluxos de maneira criativa, conectada, sustentável e participativa. A Agência Habitat da Organização das Nações Unidas (ONU), no relatório World Cities 2016, Urbanização e Desenvolvimento: Emerging Futures mostra que as 600 principais cidades, com 1/5 da população do mundo, produzem 60% do PIB global, mas se não gerenciados de maneira inteligente, a urbanização pode levar a uma série de problemas, incluindo impacto no clima e no desenvolvimento social.

Por isso, é urgente a necessidade de se pensar medidas práticas para resolver uma série de desafios inerentes ao nosso tempo, como a desigualdade, alterações climáticas, moradia e favelas, economia das cidades, gestão e legislação urbana. A busca por cidades prósperas e que acolham é algo que estudiosos de arquitetura, design, urbanismo e membros de governos tem perseguido por décadas.