PAPO COOP #3 – Quais os desafios da sua cooperativa?

Publicado em: 07 setembro - 2021

Leia todas


O terceiro episódio do PAPO COOP traz para o palco Emanuel Malta, economista e sócio fundador da Vértice Consultores. Para desvendar as maiores barreiras que encontramos no caminho do desenvolvimento das cooperativas, ele responde à pergunta: QUAIS OS DESAFIOS DA SUA COOPERATIVA? 

Durante sua história, as cooperativas sempre foram exemplo de inovação. Assim como em outros negócios, tais inovações precisaram de boas estratégias para que fossem colocadas em prática. Estratégias que, no cooperativismo, são focadas nas pessoas e na geração de valor. 

Mas assim como empresas e organizações fora do ramo, desafios são encontrados na caminhada em busca de prosperidade. Quais são – então – os desafios que a sua cooperativa enfrenta hoje? 

“A grande pergunta que temos é: qual é o valor que sua cooperativa gera para as pessoas que são impactadas por ela?” 

O maior desafio que as cooperativas enfrentam, segundo malta, é fazer as estratégias funcionarem. No contexto das cooperativas, esse desafio ganha um elemento a mais: como criar uma estratégia que gere um real valor para todos os envolvidos no processo? 

Para Malta, o primeiro passo é entender o que é estratégia. Estratégia é saber o valor que o seu negócio gerar os clientes. E para que ela funcione, deve-se garantir que essa geração de valor ocorra de forma consistente, sustentável e duradoura. Além disso, a estratégia não pode ficar na teoria. É preciso que haja sintonia entre ela e os processos realizados na cooperativa. 

“Se você sabe qual o valor que seu negócio gera para cada uma das partes envolvidas, você está um passo na frente, na resolução dos desafios que sua cooperativa enfrenta” 

Diante dessa realidade, é preciso identificar os outros desafios que as cooperativas enfrentam durante sua história. O primeiro desafio: gerar valor de forma clara e coesa. Muitas vezes, a falta de foco acaba por processos demorados, e consequentemente, o desperdício de recursos. A boa estratégia deve seguir um caminho bem definido, e entender desde o início o ponto onde se quer chegar. 

O segundo desafio: romper a percepção de que valores são a única coisa que importa. O cooperativismo é regido por seus sete valores. E, logo abaixo deles, encontram-se os valores que cada ambiente pratica. Uma estratégia bem estruturada leva em consideração tais valores, mas sem tratá-los como barreiras absolutas. Saber seus valores e missão é um importante passo. Mas é preciso manter a mente aberta. 

“Quanto mais eu me diferencio, maior a capacidade de atrair novos clientes e gerar mais valor” 

Para que haja uma constante geração de valor é preciso se diferenciar. Explorar novos caminhos, entendendo que a diferenciação gera maior capacidade de aumentar o número de cooperados, e por consequência, os lucros, sobras e etc. Assim, se revela o terceiro desafio: entender o mercado onde sua cooperativa está inserida. 

“Para que sua cooperativa seja sustentável, você deve dominar os dados que cercam o seu negócio” 

Para entender mercado é preciso analisá-lo. Na era da geração de dados, as cooperativas não devem ficar alheias ao fenômeno da produção e manuseamento de dados, que são hoje uma das maiores armas de governos, empresas e sociedade como um todo. Tais dados ajudam a construir uma visão clara do negócio, para que os responsáveis pela tomada de decisão – que na cooperativa estão presentes em todos os cargos – saibam exatamente o que é deve ser feito para que a geração de valor continue. Buscar a visão focada dos tomadores de decisão é, então, o quarto desafio. 

Após a análise de mercado mostrar o que exatamente deve ser feito, recai sobre as cooperativas uma das maiores barreiras de todo e qualquer negócio. O quinto desafio: orçamento. Como Malta destaca, é preciso repensar a forma como o orçamento é utilizado, e usá-lo de forma eficiente é a chave para melhores resultados. 

“Para que a cooperativa atinja os melhores resultados de sua estratégia, é preciso comunicar de forma eficiente os dados que permeiam os seus processos” 

O sexto desafio é – sem dúvidas – um dos mais discutidos entre cooperativistas do mundo todo: a comunicação. Não só a comunicação externa deve ser trabalhada. Para que as boas estratégias sejam bem utilizadas, as cooperativas devem mostrar para seus colaboradores o que está sendo feito, e como está sendo feito. 

Neste contexto, o investimento em comunicação deve ser feito de forma alinhada à utilização de novas formas de inteligência. Dessa forma, com a união dos dois processos, as cooperativas terão mais capacidade de entender e coletar os dados que são importantes para seu desenvolvimento e, posteriormente, comunicá-los para quem lhes é interessante. 

“É preciso que tenhamos uma governança que olhe para onde o mercado e a cooperativa estão indo” 

Por fim, mas não menos importante, é preciso pensar no sétimo desafio: a governança consciente. Para que uma boa estratégia funcione, é preciso ter um ambiente que saiba utilizá-la. Uma governança ativa dentro da cooperativa, que faz parte e acompanha todos os processos, junto aos seus colaboradores. 

Desta forma, solucionando estes sete desafios – e vários outros que surgem no caminho – as cooperativas terão plena capacidade de expandir seus negócios e ajudar ainda mais pessoas. Tudo isso, de forma estruturada e alinhada com os sete valores que regem o cooperativismo como um todo. 

Quer conferir o terceiro PAPO COOP na íntegra?  

OUÇA agora o terceiro episódio do PAPO COOP 

ASSISTA agora o terceiro episódio do PAPO COOP 


Por Redação MundoCoop



Publicidade