Quando a cooperação mais se faz necessária

Publicado em: 13 maio - 2021

Leia todas


Em tempos de crise o Cooperativismo mostra a sua importância social, fazendo valer o 7º Princípio – Interesse pela comunidade. Expressiva tem sido a contribuição do setor no enfrentamento à pandemia Covid 19, por tratar-se de um modelo de negócios (uma filosofia) que busca transformar o mundo em um lugar mais justo, equilibrado e com melhores oportunidades para todos. E as parcerias são fundamentais no somatório de esforços para a assistência às populações mais vulneráveis.

Nessa perspectiva, a COOPAEFARC (Cooperativa dos Agricultores e Empreendedores Familiares Rurais do Cariri) assinou Termo de Compromisso e Doação com a Fundação Banco do Brasil, neste mês de abril, por meio do qual recebeu R$ 298.402,40 em recursos financeiros a serem utilizados no combate ao novo coronavírus em todo o estado. “A parceria volta a acontecer em 2021 por conta da bem-sucedida experiência do ano passado. Estamos dando continuidade ao nosso trabalho de amparar nossos irmãos em dificuldade”, explica o presidente Francisco Ferreira Brito (Diassis).

A Fundação escolheu a COOPAEFARC como “cooperativa-mãe” para a realização do projeto. Ela é responsável por receber e distribuir os recursos doados, que foram destinados a 27 outras entidades de 12 municípios do estado do Ceará. A expectativa da Fundação é que sejam atendidos 150 agricultores familiares fornecedores, beneficiando 1.880 famílias cearenses com cestas básicas, kits de higiene e limpeza, EPIs e logística (combustíveis, frete e embalagens).

Parceria

Apoiar o processo de comercialização dos agricultores familiares e Empreendimentos Econômicos Solidários – EES, minimizando a crise financeira, contribuindo com a geração de renda e o provimento básico de alimentos e material de higiene às pessoas vulneráveis ao impacto da Covid-19.

Os recursos poderão ser utilizados na compra de alimentos perecíveis e não-perecíveis da agricultura familiar com benefícios diretos, preferencialmente, às redes vinculadas a agricultores familiares, pronafianos, produtores e empreendedores locais e regionais; produtos de higiene pessoal e de limpeza para uso familiar; itens médico-hospitalares e equipamentos de proteção individual; custos referentes a embalagens e a logística da aquisição dos produtos e entrega das cestas básicas.

Alimentando esperanças

As cestas básicas distribuídas pelo acordo firmado entre a Fundação Banco do Brasil e COOPAEFARC contêm os seguintes itens: arroz (4kg), feijão (2kg), frutas (mamão, manga, banana, acerola, maracujá – 3k), tubérculos (macaxeira, batata doce, beterraba, cenoura – 3kg), legumes (abóbora, abobrinha, berinjela, pepino, chuchu – 3kg), polpa de frutas variadas (1/2kg), açúcar (2kg) e ovo (uma bandeja com 30 unidades). E o valor de cada cesta é R$ 150,00. 


Fonte: COOPAEFARC


Notícias relacionadas



Publicidade