Sistema OCB/GO lidera grupo que vai estimular 
criação de cooperativas na indústria da moda

Publicado em: 21 julho - 2021

Leia todas


Entidade cooperativista uniu-se ao Sebrae, Senai, prefeitura e iniciativa privada para atuar na formação e capacitação de novas coops. Ideia é focar nos trabalhadores informais que atuam de forma precária na produção de roupas e aproveitar potencial do polo produtivo já consolidado em Goiânia

O projeto que dará estímulo e suporte à criação de cooperativas de profissionais da área da moda em Goiânia já tem dois subgrupos de trabalho formados. O foco são os profissionais que atuam na informalidade, de forma incipiente ou precária, na produção de peças do vestuário no pujante setor da moda em Goiânia.

Esse passo foi dado na última sexta-feira (16), por iniciativa do presidente do Sistema OCB/GO, Luís Alberto Pereira, e do diretor superintendente do Sebrae Goiás, Antônio Carlos de Souza. Eles receberam, na sede do SESCOOP/GO, secretários municipais de Goiânia de diversas pastas e seus assessores, além de representantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Estratégico de Goiânia (Codese), do Shopping Mega Moda e do Senai Goiás.

O encontro serviu para definir como será desenvolvida a parceria entre o Sistema OCB/GO, a Prefeitura de Goiânia e a iniciativa privada, no contexto do projeto Incubacoop Goiás, iniciativa do Sistema OCB/GO para a incubação, aceleração e desenvolvimento de novas cooperativas, como forma de gerar emprego e renda, enfrentar a crise provocada pela pandemia de covid-19 e oferecer novas perspectivas para segmentos mais vulneráveis da sociedade. Luís Alberto apresentou o projeto e ressaltou que essa primeira reunião mostrou uma sinergia muito grande entre os diversos atores que aderiram ao projeto.

“Reunimos nesse primeiro encontro três esferas: a pública municipal, a do consumidor, representado pelo Shopping Mega Moda e a Região da 44, e nós, do Sistema OCB/GO e do Sistema S, voltados para o produtor, que é o objeto de trabalho do nosso projeto Incubacoop Goiás. Concluímos que precisamos atuar em duas frentes, em uma delas requalificando o espaço físico e trabalhando com fiscalização e comunicação a questão do consumo e completando o elo produtivo com a formalização, preparação e treinamento da mão de obra que irá se dedicar à confecção”, explicou.

Foram constituídos dois subgrupos para trabalharem de forma paralela e, ao final, convergirem para uma ação única. Com a definição das regiões que passarão a ser o foco das ações, a mobilização do público será, primeiramente, com a capacitação dos trabalhadores e, em seguida, com o esforço de sensibilização para que haja a formalização da atividade, momento em que serão apresentadas as vantagens do modelo de negócio cooperativista, diz o presidente Luís Alberto Pereira.

A região Noroeste de Goiânia, uma das mais populosas da cidade e que apresenta um dos mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do município, pode ser uma das escolhidas, mas isso depende de um diagnóstico que ainda será feito em conjunto com a Prefeitura.

Primeiros passos

Segundo a secretária Institucional da Prefeitura de Goiânia, Valéria Pettersen, que participou da reunião, a formação dos grupos de trabalho que vão difundir o modelo de negócio cooperativista no setor da moda goianiense vai possibilitar a concretização de sonhos e interesses comuns a todos os atores que participam dos subgrupos de trabalho. Esse é o passo inicial para incentivar o desenvolvimento do setor da moda em Goiânia a partir da criação de novas cooperativas no contexto do projeto Incubacoop Goiás.

“Vamos estabelecer uma qualificação correta, e uma estruturação de cooperativas com a assessoria do Sebrae, que é o que todo mundo sonha, ver o seu negócio dar certo. Estamos construindo uma base sólida, em que o poder público, a iniciativa privada, o Sistema S e o Sistema OCB/GO se unem de forma planejada e organizada”, ressalta.

Valéria Pettersen destacou que são diversas as secretarias do poder público municipal envolvidas no projeto Incubacoop Goiás, e cada uma delas está encarregada de criar a sua cooperativa, conforme o público a que estão relacionadas. “São públicos-alvo distintos e vamos trabalhar em diferentes regiões da cidade. Queremos aproveitar esse potencial que já existe na Região da 44, um polo de moda que já existe em Goiânia.” 

A secretária afirma, ainda, que as ações de capacitação serão essenciais para mobilizar os diversos públicos que têm o potencial para se organizar em cooperativas. “Temos certeza de que o melhor desenho passa pela qualificação, precisamos atrair o público certo para as cooperativas”, defende.

O diretor-superintendente do Sebrae Goiás, Antônio Carlos de Souza, considerou o encontro do grupo uma oportunidade para fortalecer o cooperativismo no Estado e disseminar o modelo de negócio no polo da moda em Goiânia, contando, para isso, com a iniciativa do Sistema OCB/GO, a participação efetiva da Prefeitura Municipal de Goiânia e o apoio do Sistema S em Goiás: SESCOOP, Sebrae e Senai.

“Todo o direcionamento foi dado nesse primeiro encontro. Daqui para frente, certamente trabalharemos muito para que possamos alavancar essas iniciativas e fortalecer a economia do nosso município, do nosso Estado e, acima de tudo, promover ainda mais o cooperativismo em Goiás”, destacou.

Carlos Luciano, presidente do Shopping Mega Moda e diretor da Associação Empresarial da Região da 44 (AER44), disse que está entusiasmado com as propostas discutidas e aprovadas nessa primeira reunião do grupo de trabalho dedicado a incubar e apoiar a criação de novas cooperativas no setor produtivo da moda.

“A oportunidade é enorme e Goiânia pode ser, de fato, a capital da moda do Brasil, tanto para distribuir quanto para produzir moda. Dentro dessa cadeia produtiva, há espaço para o desenvolvimento de facções, confecções, treinamento e qualificação para que a moda goiana seja projetada. Prefeitura de Goiânia, Sebrae, Senai e o Sistema OCB/GO, que têm um grande projeto, podem contribuir muito, junto com a Região da 44, para buscarmos esse objetivo”, afirma.

Também estiveram na reunião o secretário de Desenvolvimento e Economia Criativa, Paulo Henrique, o secretário-executivo do Escritório de Prioridades, Ariel Silveira de Viveiros, a secretária de Política para as Mulheres, Tatiana Lemos, o presidente do Codese, Carlos Alberto, e a secretária executiva da Secretaria de Direitos Humanos, Jordana de Araújo, representando a secretária Cristina Lopes.


Fonte: Imprensa OCB/GO


Notícias Relacionadas



Publicidade